Jovem de 18 anos mata a ex-namorada e amigo a facadas por ciúmes em Itapuranga

527

Vítimas de Homicídio em ItapurangaUm jovem de 18 anos matou a ex-namorada e um amigo dela com golpes de faca em Itapuranga, a 166 km de Goiânia, na noite de segunda-feira13.01.2014. Segundo a Polícia Civil, Kemily Andrielle Maia Freire, de 13 anos, e Eduardo de Camargos Oliveira, de 22, foram assassinados quando saíam de um grupo de oração junto com um casal. De acordo com a delegada de Itapuranga. Giovana Sas Piloto, o duplo homicídio ocorreu por volta das 22h30, no Centro da cidade.

O suspeito e a vítima namoraram por três meses e se separaram recentemente, mas o jovem não teria aceitado o rompimento. O rapaz acreditava que Eduardo seria o novo namorado da ex e, com ciúmes, os teria matado.Segundo Giovana, Kemily levou nove facadas – cinco nas costas, três no tórax e uma no pescoço. Já Eduardo foi ferido uma vez no pescoço.

O suspeito fugiu após cometer o crime, mas um pedido de prisão preventiva já foi encaminhado à Justiça.Posteriormente, na data de 15.01.2014, o jovem Lázaro Ferreira de Castro Júnior, 18 anos, se entregou à Polícia Civil em Itapuranga, a 166 km de Goiânia. Segundo a delegada da cidade, Giovana Sas Piloto, em breve depoimento, o rapaz confessou que assassinou a facadas a ex-namorada, Kemily Andrielle Maia Freire, 13 anos, e de um amigo dela, Eduardo de Camargos Oliveira, 22 anos.Lázaro estava acompanhado de um advogado e disse que agiu sozinho.

A partir disso, o rapaz usou o direito de permanecer calado e afirmou que só irá se pronunciar novamente em juízo. Como já tinha um mandado de prisão decretado pela Justiça, o jovem saiu da delegacia direto para um hospital, onde fez exame de corpo de delito e, em seguida, foi levado para a Unidade Prisional de Itapuranga.

O G1 entrou em contato com o advogado que acompanhou Lázaro à delegacia, mas o profissional não quis se identificar e preferiu não comentar o caso.

Apesar da prisão, as investigações sobre o caso continuam. “A partir de agora, tenho dez dias para concluir o inquérito. Vou ouvir cerca de dez pessoas para definir em qual crime vou indiciá-lo”, disse ao G1 a delegada Giovana. Ela não revelou quem serão os depoentes, com receio de que eles sofram algum tipo de represália.