Traficante ganha benefício da Justiça, comemora traficando drogas e volta para a cadeia

477
Quadrilha presa pela Polícia Civil

 A jovem Katty Ribeiro Chaves, de 19 anos, foi presa e autuada em flagrante delito pela Polícia Civil, suspeita de cometer os crimes de tráfico e associação para o tráfico de drogas. No momento de sua prisão, ela estava na companhia do individuo conhecido como “Barrão” , que da mesma forma, acabou preso.  Katty no ano passado, mais precisamente no dia 05 de setembro, fora presa juntamente com seu amásio e outro elemento, pois durante uma operação policial, o trio foi flagrado em posse de aproximadamente 650g de crack, onde foram autuados em flagrante pela Polícia Civil, pelos crimes de tráfico e associação para o tráfico de entorpecentes. Na ocasião, por estar no oitavo mês de sua segunda gestação, Katty acabou beneficiada com a prisão domiciliar, porém, tão logo ter dado a luz, a mesma deixou a cidade de Goianésia – sem informar a Justiça – e foi até Goiânia onde deixou seu recém-nascido aos cuidados de terceiros retornando em seguida para Goianésia, onde continuou trilhando no submundo do crime.

Operação policial – Katty foi um dos seis suspeitos presos durante uma operação realizada entre os dias 10 e 11 do corrente mês, desencadeada pelos policiais civis lotados na Delegacia de Polícia e no Grupo Especial de Repressão a Narcóticos – GENARC de Goianésia, sob a coordenação do delegado de Polícia Marco Antônio – titular das duas unidades policiais do município. A operação policial tinha como objetivo, identificar e prender autores de crimes de furto a estabelecimentos comerciais e de crimes de roubo a pessoas, crimes estes que estavam levando medo aos comerciantes e a população de um modo geral de Goianésia. Ao final, seis criminosos foram presos suspeitos de serem autores de diversos crimes, dentre os quais: tráfico de drogas, homicídio e estupro.

Após várias diligências o principal autor de furtos em comércios na cidade foi identificado e preso em flagrante, quando este trocava objetos e bebidas alcoólicas – produtos furtados – por drogas com traficantes da região oeste de Goianésia. No local, além do ladrão, foram presos três traficantes e durante a abordagem policial, mais de vinte usuários de drogas compareceram ao endereço com intuito de comprarem entorpecentes, dentre eles, dois adolescentes, que minutos antes, haviam cometido um ‘ato infracional’ de roubo, tendo roubado um relógio de um transeunte e foram até a boca de fumo com o objetivo de trocar o produto do roubo por drogas. Acabaram apreendidos. Durantes a ação, os policiais civis conseguiram apreender várias porções de crack, R$ 500,00 em dinheiro, vários objetos e bebidas furtados e roubados, foram cumpridos ainda, dois mandados de prisão.

Foram presos durante a operação, além de Katty, os suspeitos: Allan Rosa da Silva, de 32 anos, preso em virtude de haver contra o mesmo, um mandado de prisão expedido pela Justiça local, por ser ele, o principal suspeito de ter cometido no ano de 2009, o bárbaro homicídio que vitimou a adolescente Núbia Petronilio, de 16 anos, a época do fato, que foi golpeada nove vezes. Na ocasião, o corpo da adolescente Núbia foi encontrado próximo ao córrego Covoá, situado na Fazenda do mesmo nome. O suposto autor, utilizando-se de uma arma branca – faca – golpeou até a morte a vítima, pois, supostamente Núbia teria furtado 20 gramas de crack do mesmo.

A dificuldade neste caso foi devido à falta de testemunhas oculares do fato, porém, graças ao empenho e persistência da equipe dos policiais civis comandos pelo delegado Marco Antônio, foi possível chegar até o autor e elucidar mais este bárbaro crime. Interrogado pela autoridade policial, Allan da Silva negou ser ele o autor do crime. José Miguel Moreira dos Santos, vulgo “Neguinho da Muleta”, de 50 anos, foi preso em flagrante suspeito de praticar vários crimes furtos em estabelecimentos comerciais da cidade. José que é usuário de crack, já teria sido preso várias vezes por ter cometido o mesmo crime nas cidades de Niquelândia e Goianésia; Warlas Tavares Fernandes, de 18 anos, acabou preso em flagrante por suspeita de cometer crime de tráfico de drogas na região do Bairro São Cristóvão; condenado por ter praticado crime de estupro, Gibel Alves Carvalho, de 40 anos, era foragido do sistema prisional de Goianésia, onde cumpria pena no regime semiaberto; Valdemar Guimarães, o “Barrão”, de 44 anos, foi autuado em flagrante por receptação, tráfico e associação para o tráfico de drogas. Barrão – que até então não possuía antecedentes criminais – acabou preso visto que em sua casa foram encontrados 25 gramas de crack divididas em porções de tamanhos diversos, a quantia de R$ 355,00 em dinheiro, 05 celulares e ainda várias bebidas alcoólicas que foram furtadas por José Miguel e trocadas por crack com “Barrão”.

Objetos e drogas apreendidas

De acordo com investigações do GENARC, Barrão em companhia de Katy, comercializava drogas em sua residência situada no Bairro Boa Vista. Segundo a polícia, cinco dos oito filhos de Barrão, além de duas noras suas já foram autuados por algum tipo de crime, inclusive, tráfico de drogas. Mesmo com um efetivo reduzido e com uma legislação considerada em certos aspectos fraca. Os policiais civis de Goianésia afirmaram que não estão desanimados e farão sua parte em prender quem cometer qualquer delito em Goianésia. Citaram por exemplo de como é difícil prender e coletar provas contra traficantes.

“À vezes investigamos um traficante durante dois anos, conseguimos prendê-lo e em dois meses os traficantes já estão em liberdade, e voltam ao tráfico, e o pior, acaba aliciando menores e outros criminosos a praticarem furtos, roubos, homicídio e até tráfico de drogas. Sem contar que os autores de crimes de furtos e roubos ficam pouco tempo presos e isso desanima a população que mesmo sendo vítimas preferem não denunciar e nem colaborar com as investigações da polícia, que ás vezes fica de mãos atadas, e o mais lamentável: a culpa pela demora na elucidação dos crimes é atribuída à polícia”, relatou Eurico Moreira, agente de polícia lotado na DP Goianésia.

Fonte: Route News
Foto: Divulgação/Genarc de Goianésia