Jovens são presos pela Polícia Civil por gravarem vídeo com apologia ao crime e ameaça

410
Autores do video foram identificados e conduzidos à Delegacia de Polícia
Autores do video foram conduzidos à Delegacia de Polícia

Três adolescentes foram apreendidos nesta quarta-feira (25), em Aparecida de Goiânia, suspeitos de produzir um vídeo em que fazem apologia ao crime. A filmagem, divulgada em redes sociais, mostra dois deles cantando um rap em que mencionam crimes realizados na região do Setor Garavelo. Segundo a Polícia Civil, eles foram identificados pelos nomes usados na apresentação do vídeo. Os policiais ainda fazem buscas por um quarto suspeito.

No vídeo, o grupo defende a criminalidade em trechos como: “Para quê apostar na mega se eu faço coisa melhor? Eu roubo o seu prêmio fácil, não sou digno de dó”, e “Eu tenho vários artigos e quero ganhar mais um. Se os velhos tretar (sic) bota artigo 121”, quando fazem referência ao crime de homicídio.

Além disso, fazem provocações e ameaças a policiais, que se sentiram ridicularizados pela letra da música. “Enquanto uma instituição inteira está trabalhando, lutando para quebrar o medo e reverter índices de criminalidade, dois inconsequentes me colocou um rap inútil e inoportuno como esse. Mexe não só com os PMs, mas causa indignação em toda a sociedade organizada”, afirma o porta-voz da PM, coronel Divino Alves.

Jovens cantam rap que faz apologia  ao crime
Jovens cantam rap que faz apologia ao crime

Segundo a Polícia Civil, os jovens podem responder por apologia ao crime e, caso condenados, podem cumprir pena de três a seis meses de prisão ou multa. Além disso, o delegado responsável pelo caso, Fernando Alves Barbosa, afirma que os crimes citados por eles na letra também serão investigados.

“Como eles citaram vários assaltos em alguns estabelecimentos comerciais aqui do nosso setor, todos eles serão averiguados para saber a real procedência ou se era apenas uma letra de música difamando e caluniando as próprias instituições policiais”, afirma o delegado. Após a apreensão, os adolescentes disseram que não são os autores da letra. Por isso, Fernando Barbosa também deve investigar quem escreveu a música e, se identificada, a pessoa pode ser intimada a prestar depoimento.

Fonte:  G1 / GO