Mulheres de Delegacia: Conheça a história da Escrivã Christina Augusta Simiema de Oliveira

521
Christina Augusta Simiema

“Sua profissão não é aquilo que traz para casa o seu salário. Sua profissão é aquilo que foi colocado na Terra para você fazer com tal paixão e tal intensidade que se torna chamamento espiritual.” (Vincent van Gogh)

Ingressar na polícia em 1984 não foi na época uma opção feita por amor a carreira policial, mas sim, uma opção salarial. Caloura da UFG, na época foi a melhor opção. Hoje quase 28 anos depois, posso dizer que foi um chamado, eu tinha que estar onde Deus queria que eu estivesse, sendo instrumento útil na vida das pessoas, seja para se fazer cumprir a lei ou para estender a mão. Nós policiais tantas vezes somos conselheiras, apascentadoras, justiceiras, assistente social, amiga/ouvinte e tantas outras funções, afinal, que policial nunca aconselhou ou ajudou uma pessoa ainda no cumprimento de suas funções?

Nessa caminhada passamos por muitos lugares, situações e convivemos com vários tipos de pessoas. Algumas deixam marcas, uma história, recordações boas, outras nem tanto. Vivenciamos tragédias, mas também momentos alegres. Pessoas e fatos marcaram, vale lembrar algumas: 1984 – DECAME – Dr. Nuion Gedda, Simeão, Lucena, Luiz Antônio, Nailza, Dilva, Beth,Joelita, Cleide, Raquel, Eliane, Rosilda, Didiu…; Identificação Criminal – Cidão, Lucimar, Divina, Silma, Maria Helena, Jorge, Sílvio…; 1990 –Plantão IML – Sr. Raul, Sérgio, Lú, Carlão, Velú, Vercílio, João Antônio, Alberto, Dr. Euler, Dr.David, Dr.Clédinon, Dr. César Brasil…; Del. Mulher/Apda de Gna – Drª.Ana Godoi, Socorrinha, Filó, Eder, Messias, Walter, Eliude, Dona Lázara…; 5º DP/ApdaGna–Jd. Tiradentes…bem no começo…época do Leonardo Pareja; 1996 – Del. Metropolitana – *Ramires, Dr. J. Damaso, Dr. Euro, Drª Gildeci, Dr. Itamar, Celinha, Osmar Paulo e Bento, Peres, Marizete, Rizélia, Zé Aguilar, Índio, Wagna, Antonelli, Dr. Manoel Borges, Marcelo, Faustino, Henrique, Itaberaí, Brasilei, os “Araras”…; Del. Mulher/Gna – Drª.Gildeci, Drª.Venêsia, Angélica, Celinha, Selminha, Silvana, Cristina Cravo, Lara, Suzana, Ivani, Nelma…; 2003 – DECON –Dr.Edemundo, Angélica, Ana, Marizete, Marinete, Miguelina, Maria, Neruze, Eva, Deidivan, Giusélia, Sidnei, Paulo, Simone, Sônia, Patrícia, Dona Olinda…; 2011 – SSPJ – Dr. Guido Pratti / Secretaria Geral – Danilo, Andréia, Robson, Eliene, Larissa, Fabiano, Kleiton, Lais, Norton, Thiago, Dayane…

Nessa jornada aprendi a gostar do que faço e fazê-lo com excelência, com amor e tirando lições das experiências vividas. Hoje é gratificante falar sobre os colegas, chefes, situações e pessoas que passaram pela minha vida na Polícia Civil.

Sobrevivi a máquina Olivetti, fazendo inquérito policial /auto de prisão em flagrante em 4 vias com carbono; as viaturas Fiat 147, cantina do Gil, ao rádio transmissor (QSL – OBG), equipe da Ronda, CIAL, fila do BEG, Rádio Manguba etc. O tempo passou e as coisas mudaram. Hoje usufruímos de computadores com programas avançados, viaturas de primeira linha, equipamentos eletrônicos de primeira geração, celulares…mas uma coisa não mudou, continuamos lutando por melhorias salariais.

                        Vários policiais já deixaram o bastão e tantos outros ingressaram na Polícia Civil. Muitas histórias foram escritas e várias outras ainda serão. Levo comigo recordações, experiências, lições de vida e parte da minha história, com a certeza de que… “Valeu a pena, ê, ê…Valeu a pena, ê, ê!” – O Rappa.