Marido usa esposa para realizar roubo de R$ 180 mil em construtora de Goiânia

424
construtora
Deocres (branco) planejou o roubo feito pelo amigo David (azul)

A facilidade no transporte de malotes com altos valores é apontada pela Polícia Civil (PC) como a motivação de Deocres Sebastião, de 35 anos, para planejar o assalto a construtora Porto Belo, no Centro de Convenções de Goiânia, em abril deste ano. Segundo a PC, a mulher do suspeito era funcionária da área financeira da empresa e contava ao marido, de forma despretensiosa, o dia a dia do trabalho e até mesmo o medo que os colaboradores possuíam em relação a insegurança na forma de transporte de altos valores.

A partir das conversas, Deocres teria arquitetado o plano que resultou no roubo de mais de R$ 180 mil. A execução do plano foi realizada por David Queiroz, 34, amigo de Deocres.

Apesar da grande quantia levada, o delegado adjunto da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC), Paulo Ribeiro da Silva, responsável pelo caso, afirma que o assalto foi feito de forma rudimentar: Deocres conversou com a esposa para saber o horário em que ela desceria para o estacionamento do Centro de Convenções, onde despacharia o dinheiro e sairia para o horário de almoço. Como já conhecia detalhadamente, por meio dos relatos da esposa, a forma de envio do dinheiro, o suspeito teria instruído o amigo David Queiroz, 34, – que confessou o crime – como agir e também o horário.

David, chegando ao local, ameaçou os funcionários e colocou o montante em uma mochila, fugindo na mesma moto em que havia chegado. “Ele chegou a deixar cair vários objetos pessoais, como boné e óculos”, relata o delegado. Nenhum dos suspeitos possui antecedentes criminais e este teria sido o primeiro roubo da dupla.

A simultaneidade em que os funcionários descem para o local do roubo e a aparição do assaltante, além da precisão das informações, fez com a PC levantasse a suspeita de participação de um dos colaboradores.

“Monitoramos que a mulher havia conversado com o marido minutos antes do roubo. Nossa primeira impressão é que ela teria participado, mas após investigação percebemos que Deocres apenas utilizou a esposa para ter informações privilegiadas, já que ele passava vários meses fora de casa, tinha uma amante e mesmo em posse do dinheiro deixou a mulher sem assistência financeira.”

Paulo Ribeiro conta que Deocres e David teriam aberto, com o dinheiro, pequenos empreendimentos. E mesmo com o aumento da renda do marido, o filho da mulher ainda dormia em um sofá-cama e ela devia vários meses de aluguel.

A mulher chegou a ficar detida durante um dia, para averiguação, mas foi liberada. “O que ela chorou devido ao susto e a revolta daria para resolver o problema de Cantareira, em São Paulo”, brinca o delegado. “Mesmo sabendo que a confissão ‘livraria’ a esposa, vendo todas as provas e que o amigo já tinha contado todo o funcionamento, Deocres não confesso o crime.”

Ainda assim, a Polícia Civil acredita que marido e mulher possam se ‘reconciliar’, isto porque a esposa teve, conforme o delegado, demonstrações de afeto exacerbadas ao ver Deocres Sebastião preso.

Texto: Ana Helena / Jornal O Hoje
Foto: Demian Duarte / Jornal O Hoje