Mensagem do Delegado Geral pelo assassinato do Agente de Polícia Gustavo Pereira da Costa

595

Todas as mortes são lamentáveis, afinal, a vida é, sem dúvida, o maior bem que temos. Mas para nós, da Polícia Civil, perder um policial é uma tristeza imensurável.

Lamentamos profundamente que o Agente de Polícia Gustavo Pereira da Costa tenha partido deste mundo. Nada que dissermos poderá confortar a dor dos companheiros de trabalho, da família e dos amigos de Gustavo, mas oferecemos um abraço amigo diante deste pesar.

Policial nato, nas próprias palavras do Agente de Polícia, ele escreveu, ainda no Curso de Formação da Polícia Civil, um pequeno texto, falando sobre suas motivações em ser policial civil.

“Ninguém decide ser policial. Isso nasce com a gente! E isso aflorou cedo em mim, naquela famosa brincadeira de criança, polícia e ladrão. Eu jamais era o ladrão. Todo ser humano nasce com um sentimento dentro de si, o sentimento de justiça. Entrar para a Polícia Civil é uma grande oportunidade de ajudar o próximo e reparar algumas injustiças, diminuindo assim a dor de muita gente.

Determinação, foco, lealdade e comprometimento são valores que trago para a instituição. Buscarei sempre defender os princípios da ética e da moral, para jamais  manchar  o nome da Polícia Civil do estado de Goiás.”

                                                           Gustavo Pereira da Costa- Agente de Polícia – PC Goiás

Queremos nos dirigir especialmente à família de Gustavo, respondendo ao que ele escreveu. Suas palavras fortalecem nossa missão e queremos defender nossos princípios para jamais manchar sua memória.

Queremos ainda lembrar aos companheiros Policiais Civis que algo que nunca pode morrer é a esperança de que conseguiremos viver numa sociedade mais tolerante, justa e pacífica. Gustavo se foi acreditando nesses valores e, como ele mesmo disse, não decidiu ser policial, mas nasceu assim. E assim partiu, deixando que o sonho seja vivido por nós, seus companheiros.

                                                              João Carlos Gorski
                                                     Delegado Geral da Polícia Civil