Projeto elaborado pela Polícia Civil prevê promoção de policiais pelo critério de produtividade

314
João Furtado: Secretário da SSP

Agentes e escrivães da Polícia Civil que obtiverem maior pontuação através de uma tabela de produtividade em três meses, vai poder escolher onde quer ser lotado e ainda vai ascender na carreira. É o que prevê, entre outras coisas, projeto da própria Polícia Civil em análise na Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento (Segplan) e que deve ser analisado na Assembleia Legislativa em janeiro.

“É um projeto de gestão por resultados, no qual tudo será observado. Será um estímulo para o servidor e uma forma de aumentar a produtividade da Polícia Civil”, explicou o secretário de Segurança Pública, João Furtado Neto.

Ele disse que nenhum escrivão ou agente será promovido ou lotado em outra delegacia caso haja algum trabalho pendente. “Quem quer ser promovido deve preparar a pessoa que ficará em seu cargo. Nenhum trabalho deve ficar pendente”.

O projeto originalmente desenvolvido pelo Setor de Projetos da Gerência Operacional da Superintendência de Polícia Judiciária da Polícia Civil será implantado inicialmente em delegacias e distritos jurisdicionados à 1ª Delegacia Regional da Polícia Civil, com sede em Goiânia.

Ele estabelece que agentes ou equipe que ao longo de três meses acumular o maior número de pontos será beneficiado com o projeto de meritocracia. Para acumular pontos, os agentes devem ser os primeiros colocados no cumprimento de mandados de prisão (5 pontos)e na apreensão de veículos, armas e drogas (2 pontos cada).

Aos agentes, a pontuação estabelece que será beneficiado aquele ou o grupo campeão em lavrar autos de prisão em flagrante (3 pontos), termos circunstanciados de ocorrência e no número de relatórios policiais conclusivos (2 pontos cada).

A promoção por mérito na Polícia Civil é bem vista pelo promotor Bernando Boclin, coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal do Ministério Público estadual. Para ele, pela grande quantidade de serviço, pouco efetivo e material da Polícia Civil, faltava esse estímulo aos agentes e escrivães.

“Tomara que dê certo”, disse o promotor que considera a ideia de estimular o policial civil para o cumprimento do dever interessante. “Sabemos que a estrutura é pequena de policiais e de recursos”.

Ele ressalta que existe risco de abusos por parte de policiais em busca de promoção, mas que a Corregedoria da Polícia Civil é bem preparada para coibir excessos e que o próprio MP estadual também pode ser acionado para tratar do Controle Externo da Atividade Policial.

 O reconhecimento por mérito e por antiguidade já faz parte da rotina do policial militar. O sistema de promoções da corporação segue lei própria e facilitou para que a PM também aderisse à política de meritocracia adotada pelo governo estadual.

 “Não foi dificuldade para a PM a adequação a essa política. Tenentes-coronéis e coronéis fizeram uma avaliação para assumir comandos regionais recentemente e aqueles que foram habilitados já foram empossados”,afirmou o tenente-coronel Anésio Barbosa da Cruz Júnior, chefe da assessoria de comunicação social da PM.

A mesma política de promoção é adotada pelo Corpo de Bombeiros. Segundo coronel Anésio, o sistema de promoção de militares pode obedecer ainda a casos de bravura, que é quando o policial ou bombeiro, por uma conduta diferenciada, participa de uma ocorrëncia e recebe elogios por sua bravura diante do perigo. Ele lembra que o sistema de promoções das duas corporações respeita ainda os percentuais de vagas que se alternam desde o início da carreira, de soldado, até a patente de coronel.

Fonte: O Popular
Texto: Rosana Melo
Foto: Wildes Barbosa(Arquivo)