Polícia Civil realiza 2ª etapa da reconstituição da chacina em fazenda de Doverlândia

290

A Polícia Civil de Goiás retoma na manhã desta terça-feira (8) a reconstituição da chacina em Doverlândia, a413 quilômetros de Goiânia. O crime aconteceu no dia 28 de abril, em uma fazenda onde sete pessoas morreram degoladas. O superintendente da Polícia Judiciária em Goiás, o delegado Antônio Gonçalves, e o delegado de Doverlândia, Vinícius da Silva, vão conduzir o segundo dia dos trabalhos de reprodução simulada dos fatos. Na primeira parte da reconstituição, realizada na última quinta-feira (3) com a coordenação da delegada-geral de Polícia Civil, Adriana Accorsi, os investigadores teatralizaram, com ajuda de dublês, as duas primeiras mortes: do proprietário da fazenda e do filho dele, mortos dentro da casa.

Aparecido Souza Alves, de 22 anos, na sede da fazenda, em Doverlândia, sob a vigilância de Policiais Civis do GT3

Nesta terça, a polícia decidiu usar manequins para representar as cinco vítimas mortas na área externa da propriedade. Segundo Antônio Gonçalves, o mudança tem como objetivo facilitar os trabalhos. “Nestas cenas, os corpos serão arrastados no pasto. Com manequins fica mais fácil”, explicou o delegado.

Assim como no primeiro dia da reconstituição, o principal suspeito do crime, Aparecido Souza Alves, 22 anos, participará dos trabalhos.  “Ele vai falando o que aconteceu, enquanto os peritos vão encenando, filmando e fotografando”, detalha Gonçalves. Segundo ele, como não há nenhuma testemunha visual dos fatos, essa é uma importante prova técnica para desvendar o caso.

Aparecido, que confessou ser o autor da chacina, chegou a dizer que matou as sete vítimas sozinho. Mas, durante o primeiro dia da reconstituição, disse ter tido ajuda no pai durantes as execuções. A hipótese, apesar de ainda estar sendo investigada, é considerada “difícil”, pela polícia. “O pai dele alega que esteve em uma cooperativa até as 15h. Ele teria que ter andado15 quilômetrosa pé em menos de uma hora para estar na fazenda na hora em que o crime começou”, diz o superintendente.

Nesta segunda-feira (7), Aparecido passou por novos exames psicólogos. O objetivo é traçar o perfil psicológico do suspeito, que já mudou a versão dos fatos por diversas vezes, tanto sobre a participação de pessoas quanto à motivação. Até agora, segundo o superintendente, a única certeza é que o jovem cometeu os crimes, pois com ele a polícia encontrou o celular de uma das vítimas, roupas sujas de terra e de sangue, além dele ter deixado na casa do pai duas armas, uma delas roubada na fazenda.

O superintendente classifica o caso como emblemático. “Não dá para confiar no que ele diz. Primeiro, disse que seria pago. Depois, que pegaria um dinheiro na casa. Incluiu o próprio pai. Ficou seis horas no local e não levou quase nada”, pontua Gonçalves .

Vítimas

No último dia 28 de abril, sete pessoas foram degoladas em uma fazenda na zona rural de Doverlândia. Morreram o dono da fazenda e o filho dele, um caseiro da propriedade e dois casais que haviam ido visitar o fazendeiro. Além do principal suspeito, outras três pessoas estão presas. Segundo a polícia, eles foram ouvidos e negaram participação no crime.

Fonte: G1/Goiás
Texto: Gabriela Lima