Operação Black Hat: Nove são indiciados por crime de estelionato

640

cartõesA Polícia Civil de Águas Lindas finalizou o inquérito referente à Operação Black Hat, realizada no dia 3 de junho, com o indiciamento de nove pessoas, suspeita da prática de crime de estelionato, mediante falsificação de cartões bancários. Segundo o delegado Fernando Gama, o líder da quadrilha invadia o sistema de dados de empresas administradoras de cartões e obtinha dados de clientes, os quais usava para confeccionar novos cartões.

De acordo com as investigações, os cartões clonados eram repassados para diferentes pessoas, sobretudo de Águas Lindas, as quais efetuavam compras em vários Estados. Durante a operação, foram apreendidos inúmeros cartões clonados, além de impressoras, plásticos, régua utilizada para gravar as informações na tarjeta magnética, dentre outros.

O trabalho envolveu policiais civis integrantes dos grupos especializados GEIC, GIH e Genarc, além de policiais do 1º DP de Águas Lindas, DP de Alexânia, DP de Cocalzinho e DP de Padre Bernardo. Ao todo, foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão preventiva, cujos alvos foram o líder da organização criminosa, Francisco Bruno de Souza da Costa, Rijkaard Santana Costa Viana e Neidson Lopes, que realizavam as compras utilizando os cartões clonados.

Segundo o delegado, os cartões eram impressos no nome dos criminosos, contendo na tarjeta as informações dos clientes lesados. “O líder do grupo invadia o banco de dados de empresas e conseguia acesso às informações dos clientes. Segundo uma empresa administradora de cartões, o prejuízo foi superior a R$ 1 milhão”, conta. Uma CPU com dados de clientes das empresas administradoras de cartões e uma embossadora estão entre os materiais apreendidos.