Polícia Civil realiza força tarefa em Anápolis para concluir IPs devolvidos pelo Poder Judiciário

381

O Delegado Titular da 3ª Delegacia Regional(DRP), de Anápolis, Álvaro Cássio dos Santos, quer que os cerca de 500 Inquéritos Policiais devolvidos pelo poder Judiciário para novas diligências sejam remetidos à origem. Para tanto, criou um grupo composto por Delegados, Agentes e Escrivães para atender as requisições ministeriais, visando a conclusão de todos os procedimentos que aguardam andamento no âmbito das Delegacias de Polícia que compõem a 3ª DRP. Álvaro Cássio deu até nome à operação, batizada de “Capa Rosa”, que teve início hoje, sexta-feira, dia 16, e termina amanhã, sábado(17).

Grupo de Delegados responsável pela Operação Capa Rosa: Fabio Vilela, Aline Soares, Álvaro Cássio(Regional), Kênia Dutra, Carlos Antônio, Vinícius Teles, Manoel Vanderick e Helio Rodrigues

Na primeira etapa da “Operação Capa Rosa”,  Álvaro Cássio espera uma redução de 50% no número de Inquéritos Policiais que aguardam diligências exigidas pelo Poder Judiciário. “Nosso objetivo é zerar esse número numa segunda etapa de trabalho, de modo que todos os cartórios das Delegacias de Polícia da 3ª DRP sejam desafogados de procedimentos e possam ter atendido na sua plenitude as cotas ministeriais.

Lembrou o  titular da 3ª DRP que a operação desenvolvida nada mais é do que a junção de esforços empreendidos pela Polícia Civil numa força-tarefa que resultará em muitos benefícios à sociedade. “Isto pelo fato de que o judiciário poderá, com o nosso trabalho, julgar e aplicar as penas aos indiciados pela Polícia Civil”, assinalou.

Disse Álvaro Cássio que, em virtude do trabalho desenvolvido pela Polícia Civil, o número de inquéritos instaurados ao longo dos três últimos anos cresceu consideravelmente. Em 2011, 92% destes inquéritos foram remetidos ao Judiciário.  Apesar de todo o empenho, o número de inquéritos que permanece nas unidades policiais aguardando providências avança e preocupa. Além disso, 494 inquéritos foram devolvidos pelo Poder Judiciário e aguardam realização de diligências solicitadas pelo Ministério Público, o que estamos resolvendo com a “Operação Capa Rosa”.