Operação da Polícia Civil contra o tráfico de drogas em Inhumas leva 13 pessoas para a cadeia

878
Delegado Humberto Teófilo

Operação contra o tráfico prende 13

Dez pessoas foram presas ontem (07.02) pela Polícia Civil, em cumprimento a mandado de prisão preventiva, suspeitas de integrar uma organização criminosa especializada em tráfico de cocaína e venda ilegal de armas de fogo. O grupo é investigado desde dezembro do ano passado, quando três pessoas haviam sido presas.

A operação contra o tráfico de drogas em Inhumas foi deflagrada ontem cedo e ainda cumpriu 14 mandados de busca e apreensão, além do sequestro judicial de três motocicletas e de dois carros usados pelos traficantes na cidade.

O delegado Humberto Teófilo de Menezes Neto, titular da Delegacia de Polícia de Inhumas e responsável pela operação, disse que a quadrilha tem toda característica de organização criminosa. Tinha hierarquia funcional, com chefe, gerente e demais funcionários do tráfico. Há também, segundo o delegado, a divisão territorial para exploração do tráfico nas regiões da cidade, além de pessoas responsáveis em recrutar novos usuários de cocaína.

Outro fator que caracteriza a quadrilha como organização criminosa é a conexão com o poder público. Um sargento da Polícia Militar era um dos funcionários da quadrilha e responsável pela venda ilegal de armas que ele apreendia.O sargento Welder Nunes de Oliveira, conforme o delegado, vendia as armas apreendidas durante o policiamento ostensivo na cidade para o gerente geral do tráfico de drogas, Gustavo Henrique da Costa, o Cabecinha.

As armas geralmente eram vendidas aos traficantes que integram a quadrilha. Era na casa de Gustavo Henrique, no Panorama Parque, que a cocaína vendida pela quadrilha era refinada. Os dois seriam os “homens de confiança” do chefe, Diogo Rodrigues de Brito, o Paçoca, de 28 anos, que teria ligações com organizações criminosas de outros Estados. “Ele mantinha contato com presidiários de vários Estados do País”.

Diogo Rodrigues de Brito, o “Paçoca”: Chefe do tráfico em Inhumas

Além dos chefões da quadrilha foram presos sete pessoas que atuavam na cidade como pequenos e médios traficantes. Dois deles foram presos em flagrante, além de terem mandado de prisão expedidos por ocasião da operação. Luana Laurentino e Wanderson Custódio foram flagrados com várias porções de cocaína. Wanderson ainda tinha porções de maconha e mais de R$ 1 mil em notas pequenas.

“Todas as pessoas presas na operação serão indiciadas por tráfico de drogas e associação para o tráfico. Gustavo Henrique e o sargento Welder Nunes de Oliveira, que também serão indiciados por esses crimes, serão indiciados ainda por venda ilegal de armas”, contou o delegado.

Surpresa

De acordo com o delegado, a grande surpresa da investigação foi a prisão do sargento Welder Nunes de Oliveira. “Ele era reconhecido como um policial militar competente, duro e bom de serviço. Foi uma surpresa chegar ao envolvimento dele na venda ilegal de armas apreendidas”, contou o delegado. O envolvimento do sargento será investigado ainda pela Corregedoria da Polícia Militar.

Outros traficantes presos na operação da Polícia Civil:

Bruno Henrique
Chaiane Pires
Geraldino Neto
Gisele Cristina Saramago
Henrique Júnior, o "Tomate"
Gustavo Henrique da Costa, o "Cabecinha"
Jorge Augusto
Luana Laurentino
Lucas Pires, o "Pequi"
Robson Júnior, o "Goiás"
Wanderson Custódio, o "Mandioca"

Texto: Rosana Melo
Fonte: O Popular
Fotos: Polícia Civil