Operação Ponto Nobre: Denarc desarticula ponto de distribuição de drogas em um bairro nobre

653
Droga apreendida com os traficantes

Três pessoas foram presas no Setor Oeste, bairro nobre da capital, por tráfico de drogas. A Operação Ponto Nobre da Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos (Denarc) foi realizada na tarde de quarta-feira (27). O imóvel alugado na Avenida Castelo Branco, com a Rua T-46, era usado apenas para o armazenamento e embalo da droga. A  entrega era feita em um veíco modelo Corolla.

O casal Túlio Robson Ernesto da Silva, de 24 anos, Bianca Helena Borges, 23, e o funcionário da dupla, Jhony de Oliveira Cardoso, 25, foram presos em flagrante pelos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico.

A Polícia Civil foi ao apartamento, ouviu uma conversa entre o casal e, quando a porta foi aberta, o local exalava um forte cheiro de cocaína. Na bancada do imóvel, os policiais da Denarc encontraram indícios de manipulação da droga e aproximadamente 400 porções de cocaína prontas para venda e duas balanças de precisão.

No veículo de Túlio, um Toyota Corolla, foram encontrados dólares, mais uma porção de cocaína, duas agendas com anotações do movimento do tráfico e aproximadamente R$ 7 mil em espécie. Enquanto o casal era detido, Jhony chegou às proximidades do apartamento e ligou para Túlio. Com Jhony, os policias encontraram outras 40 porções escondidas na língua do tênis.

Tráfico
Túlio confessou ao Delegado Odair José Soares, titular da Denarc, que traficava há cerca de sete meses. Segundo a Polícia Civil, o entorpecente, do tipo “escama de peixe”, vem do Paraguai. Ele adquire a droga já preparada e paga R$ 1,8 mil por cada quilo. O suspeito complementou que atende os usuários por telefone e que as entregas eram realizadas por ele ou por Jhony, que recebia de R$ 4,00 a R$ 5,00 por porção entregue. No depoimento, o traficante informou que vendia a porção, com 0,9 gramas, por R$ 50. A namorada de Túlio negou participação no tráfico de drogas, mas confessou que sabia da atividade dele.

Fonte: O hoje
Texto: Cejane Pupulin