Polícia Civil de Goianésia apreende 11 armas de fogo em 15 dias

309
revolver
Foto ilustrativa

A Polícia Civil de Goianésia realizou, entre os dias 10 a 25 de agosto de 2016, a apreensão de 11 armas de fogo, entre revólveres, espingardas e carabina. Segundo o delegado regional Marco Antônio Maia, esse foi o mês de maior apreensão de armas de fogo do ano, até o presente momento. “A apreensão de armas de fogo na região continua sendo uma estratégia de prevenção e combate à criminalidade”, ressaltou Maia.

Para ter-se uma ideia do que o uso de armas de fogo representa no Brasil, em 1980, elas foram usadas para cometer 43,9% dos homicídios. Nessa época, de acordo com o Mapa da Violência 2016, a maior parte dos assassinatos ainda era cometida pelo uso de força física, por facas, afogamento ou sufocação. Até 1983, o índice cai para 36,8%, praticamente um em cada três homicídios. No entanto, a partir de 1983, inicia uma escalada que vai até 2003, quando as armas de fogo já são responsáveis por 70,8% dos homicídios.

No ano de 2003 foi sancionada a lei 10.826/03, chamada de Estatuto do Desarmamento, visando regulamentar, dentre outros, os temas relacionados a crimes de porte e posse de arma de fogo, incluindo aí uma classificação de armas em proibidas, de uso restrito e permitidas. Com o advento do Estatuto, aumentaram as penas previstas para as condutas de possuir ou portar ilegalmente arma de fogo, bem como passaram a ser criminalizadas condutas até então indiferentes ao direito penal, como, por exemplo, a posse ou porte de munição ou acessório.