PC de Rio Verde deflagra operação para reprimir homicídios causados por rixas

983

Três mandados de prisão e um de apreensão de menor infrator foram cumpridos; execuções foram motivadas por vinganças entre grupos de criminosos

gihrvO Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) de Rio Verde cumpriu quatro mandados de busca e apreensão e três de prisão temporária nos bairros Santa Cruz e Promissão, nesse município, na tarde de quarta-feira (19). Um adolescente de 17 anos foi apreendido e, em sua residência, foram localizados uma arma de fogo, drogas, dinheiro e uma balança de precisão. Os capturados são investigados pela prática de dois homicídios.

Marcelo Roberto Vieira Mendes, 20 anos, e sua, Denise Batista de Jesus, 34 anos, foram presos. Eles são amigos do menor. Segundo o delegado responsável pelas investigações, Wellington Lemos, durante o período de investigação ficou comprovado que os três participaram do homicídio contra Patrik Miguel da Silva, 18 anos, assassinado com disparos de arma de fogo no dia 7 de maio, por uma vingança idealizada por Denize.

A policia civil apurou ainda que, cerca de 15 minutos antes de ter sido morto, Patrik assassinou Bruno Batista de Jesus, 27 anos, irmão de Denize. Assim que souberam da morte de Bruno, os suspeitos atropelaram e arrastaram Patrik amarrado ao veículo utilizado para a ação por vários metros, parando o carro no local da execução.

gihrv1
Delegado Wellington Lemos em entrevista sobre balanço da operação

Ainda segundo a investigação, os suspeitos presos na operação também assassinaram Leandro Tavares dos Santos, 26 anos. Esse novo homicídio teria ocorrido oito dias após a morte de Patrick. A morte de Leandro também teria sido motivada por uma vingança. Os suspeitos acreditavam que a bicicleta utilizada por Patrik na morte de Bruno teria sido emprestada por Leandro. O quarto preso na operação é Danilo Lima Menezes, 21 anos, proprietário do carro usado no assassinato contra Leandro. Ele também é suspeito de participação direta no crime.

Além dos policiais do GIH, participaram da operação policiais do Grupo Especializado de Repressão a Crimes Contra o Patrimônio (Gepatri), 1ª Delegacia distrital de Polícia (DDP) de Rio verde, e Grupo Tático 3 (GT-3).

Segundo a titular da 8ª Delegacia Regional de Polícia Civil (DRPC), Taisa Antonello, as prisões são importantes para esclarecer os homicídios e evitar novas mortes devidas à rivalidade entre os investigados e outros grupos rivais, que pretendem vingar as mortes de comparsas. (Com informações da Assessoria de Imprensa da 8ª DRPC)