Morte encomendada: Polícia Civil de Águas Lindas desvenda crime do “Gol de Ouro”

779
gol de ouro
Objetos apreendidos durante operação

A Polícia Civil de Águas Lindas, no Entorno do Distrito Federal, conseguiu desvendar um crime de homicídio de grande repercussão, ocorrido em 2013, no estacionamento de um campo de futebol conhecido como “Gol de Ouro”, que vitimou Carlos Nunes de Oliveira.

Na primeira quinzena de julho, foram presos Raimundo Rodrigues do Rego, vulgo “Galego”, apontado como mandante do assassinato, Bruno Aparecido Alves da Silva, partícipe intermediário, Ana Maria Sousa de Oliveira, o pivô do crime, e Jhaisllon da Silva Martins, executor dos disparos.

De acordo com as investigações, coordenadas pelo delegado Cléber Junio Martins, chefe do Grupo de Investigações de Homicídios (GIH) de Águas Lindas, Raimundo teve um caso extraconjugal com Ana, namorada de Carlos à época do homicídio. Ele teria contratado Jhaisllon para matar Carlos, motivado por ciúmes.

Segundo Cléber Junio, Raimundo acolheu Ana quando ela chegou à cidade de Águas Lindas, vinda do Estado do Maranhão. Ao conhecer Carlos, ela teria deixado o caso com Raimundo para se relacionar com a vítima. Enciumado, Galego procurou Bruno, gerente de uma rede de drogarias, para que lhe apresentasse alguém disposto a executar um desafeto.

Bruno, então, apresentou Jhaisllon, menor de idade, a Raimundo. Eles teriam combinado uma quantia de R$ 2 mil e arma utilizada no crime como recompensa pela execução. As investigações, que duraram cerca de oito meses, apontaram ainda que Bruno foi quem repassou a arma ao adolescente.

No dia da execução, o menor ficou aguardando a chegada de Carlos ao estacionamento do campo de futebol Gol de Ouro, onde a vítima costumava ir duas vezes por semana. No local, Carlos foi surpreendido, sendo atingido por dois tiros na cabeça. Ele chegou a ser socorrido, mas morreu no hospital.

No dia da prisão, os policiais encontraram, no estabelecimento comercial de Raimundo, um revólver calibre 38 e 13 munições. Na casa de Bruno, por sua vez, foram encontradas munições de diversos calibres, inclusive de uso restrito. A operação teve, portanto, três prisões, uma internação e cinco buscas domiciliares. Jhaisllon, menor na época do fato, se encontra recolhido no CASE de Formosa.

Texto: Flávia Guerra – Assessoria de Imprensa da Polícia Civil
Foto: Polícia Civil / GIH / Águas Lindas