“Gela Guela”: Polícia Civil de Alexânia realiza operação em bar usado como ponto de tráfico

776
alexania
Drogas e armas apreendidas

A Polícia Civil de Alexânia, no Entorno do Distrito Federal, realizou operação, na madrugada de 7 de junho, em um conhecido ponto de tráfico de drogas da cidade, o Bar “Gela Guela”. A ação policial surpreendeu menores usuários e apreendeu armas e drogas.

De acordo com as investigações, coordenadas pela delegada Carla de Bem Monteiro, titular da delegacia de Alexânia, o bar costumava funcionar a partir das 3h, quando, supostamente, havia menor fiscalização da polícia. Por isso, a operação foi deflagrada às 4h, horário em que o bar estava lotado.

Segundo Carla, havia cerca de 150 frequentadores no local, incluindo menores em estado alterado de consciência, devido ao uso de entorpecentes. Foram lavrados Termos Circunstanciados de Ocorrências (TCOs) por porte de drogas para consumo. O dono do bar, Ivan Roberto Bento, de 46 anos, foi atuado em flagrante por infrações aos dispositivos do estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

No local, a polícia encontrou várias porções de drogas dispensadas e duas armas, cujos proprietários, Jalisson dos Santos Rodrigues, de 25 anos, e Julian Carlos Lino Alves, de 29 anos, foram autuados em flagrante por porte ilegal de arma. Na ocasião, os policiais ainda prenderam Roberto Pereira Primo, de 31 anos, que tinha contra si 11 mandados de prisão.

Por fim, foram encontrados cerca de 100 quilos de maconha numa chácara próxima ao local, vinculada a Jalisson, um dos frequentadores que já havia sido flagrado portando arma de fogo. Ele também foi autuado por tráfico de drogas. O bar foi fechado devido à falta das autorizações legais de funcionamento.

A equipe que participou da operação contou com mais de 40 policiais civis. A ação teve apoio do Grupo de Investigações de Homicídios (GIH) e do Grupo Especial de Repressão a Narcóticos (GENARC), da 17ª Delegacia Regional (DRP) de Águas Lindas, coordenados pelos delegados Cleber Junio Martins, Pablo Santos Batista e Fernando Augusto Lima da Gama, respectivamente.

Participaram ainda a Grupo Tático 3 (GT3), de Goiânia, coordenado pelo delegado André Ganga, e o Batalhão de Cães da Polícia Militar do Distrito Federal.

Texto: Flávia Guerra – Assessoria de Imprensa da Polícia Civil
Fotos: Polícia Civil / Alexânia