Polícia Civil de Catalão elucida sequestro, homicídio e ocultação de cadáver

804
WhatsApp-Image-20160521 (1)
Rodrigo Venâncio e Claudio Gonçalves

Polícia Civil de Catalão realizou, no dia 20 de maio, a “Operação Crimes do Lago II”, deflagrada com o objetivo de elucidar  um homicídio e um latrocínio na cidade turística de Três Ranchos. Na oportunidade, foram cumpridos três mandados de prisão e de busca e apreensão em desfavor de Rodrigo Venâncio Primo, Claudio Gonçalves Pereira e Adiel Soares Miguel, suspeitos do homicídio de Leonardo Marques Borges, ocorrido em 19 de janeiro do corrente ano.

Adiel, um dos autuados na ação, recebeu nova ordem de prisão no presídio, onde está preso preventivamente por suspeita de participação também no latrocínio do empresário João Rosa, morto em casa durante roubo de um cofre e uma camionete (Relembre o caso).

O segundo crime investigado na operação é o homicídio de Leonardo Marques. De acordo com as investigações, Rodrigo tinha desentendimentos com a vítima, que tinha amizade com Adiel. A dupla, então, armou o sequestro de Leonardo, que foi levado para a chácara de Rodrigo. Lá estavam Alexsander Alves Dias (que está sendo procurado pela PC e será preso em breve) e Marcos H. Silva (este somente identificado posteriormente), ambos moradores de Catalão e amigos de Rodrigo.

No local, Leonardo foi agredido fisicamente e, ao tentar fugir, foi atingido por disparos de arma de fogo, desferidos por Rodrigo e Adiel. Neste momento, Alexsander e Marcos saíram da chácara e Rodrigo chamou seu amigo Claudio, morador de Ouvidor, para ajudar a “esconder” o corpo da vítima, que foi amarrado, embrulhado em plásticos e colocado numa caminhonete. O corpo foi queimado e abandona na zona rural de Goiandira, e descoberto no dia no dia seguinte ao crime.

Desde então, várias diligências investigativas foram realizadas e a Polícia Civil já havia elucidado as autorias antes da prisão de Adiel (pela autoria do latrocínio), e apenas aguardava o momento mais oportuno para a operação. Após exaustivo trabalho investigativo, a Polícia Civil reuniu farto conjunto probatório em desfavor dos suspeitos e obteve as ordens judiciais de prisão