Polícia Civil de Cristalina prende suspeito de dois homicídios. Rapaz tem apenas 18 anos

740
igor monteiro
Igor Monteiro de Andrade

Policiais civis da Delegacia de Polícia de Cristalina e da 5ª Unidade de Inteligência (5ªUNINT) prenderam, no dia 14 de outubro, Igor Monteiro de Andrade, de 18 anos, contra o qual havia três mandados de prisão em aberto, dois por homicídio e outro por roubo qualificado. O suspeito estava foragido na cidade satélite do Gama, Distrito Federal.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Cassius Zamó, o primeiro homicídio que ensejou um dos mandados de prisão contra Igor ocorreu no dia 3 de dezembro de 2013, em frente à Choperia Sensation, centro de Cristalina. A vítima, Raí Pereira Dias, teria comentado que Igor se parecia com o ex-namorado de uma garota. Igor não gostou do comentário e, mesmo após vítima se desculpar, efetuou dois disparos de revólver contra Raí.

Igor é acusado, ainda, em coautoria com Isaías dos Santos Alves, vulgo “Guga”, Arilson Pereira Rodrigues e Marcondes José dos Santos, vulgo “Terrorista/Perigo”, pela morte de Marcos Moreira da Silva, vulgo “Fi” ou “Filho”. O crime ocorreu no dia 16 de fevereiro de 2014, em frente ao Bar do Felício, no Setor Belvedere, em Cristalina.

De acordo com as investigações, os autores teriam se aproximado da vítima em um carro de passeio, aparentemente um Gol ou um Pálio, de cor prata, de onde efetuaram cinco tiros. O crime teria sido motivado por a vingança, já que a vítima teria atentado contra a vida de Arilson que, por sua vez, já havia tentado matar o irmão da vítima, mais conhecido por “Dedê”.

O roubo, relativo ao terceiro mandado, ocorreu no dia 10 de abril de 2014, na Fazenda Bela Vista, zona rural de Cristalina. Na ocasião, Igor Monteiro de Andrade, juntamente com três comparsas, Arilson Pereira Rodrigues, Douglas Alves Ribeiro e Edmilson da Costa Dias, subtraíram da fazenda, mediante grave ameaça, uma pistola, marca Taurus calibre .765, um revólver calibre 32; uma espingarda calibre .36, uma câmera filmadora, quatro telefones celulares e R$ 770 em espécie.

Texto: Assessoria de Imprensa da Polícia Civil
Foto: Polícia Civil  / Cristalina