Crime macabro: Polícia Civil de Pires do Rio prende homicida suspeito de praticar canibalismo

656
Preso homicida nega que tenha praticado canibalismo

Policiais Civis de Pires do Rio, coordenados pelo Delegado de Polícia, Eduardo Eustáquio Rezende de Miranda, prenderam Celsimar Fernando Ferreira, que confessou ter matado André Neres da Silva e ocultado o seu corpo. O crime aconteceu no dia 13 de janeiro passado. Segundo Celsimar, o crime foi planejado pelos seus comparsas Elmo vulgo Ravel e Wagner vuldo Magrelo, que já presos preventivamente.

O acusado esclareceu que o crime aconteceu em seu barracão e que para matar a vítima usou de uma prática fabricada e utilizada pelos usuários de “crack” da cidade de Pires do Rio, Pega Duplo, que consiste em dois usuários tragarem a fumaça do crack e, logo após,  um segura e aperta o pescoço do outro, disputando quem aguenta mais tempo sem respirar para que a droga produza mais efeito.

Disse o Delegado que desta forma os usuários economizam dinheiro, já que a duração do efeito da droga é maior. Ocorre que quando um dos praticantes da disputa não aguenta mais, solta as mãos do pescoço do comparsa para que, da mesma forma, o primeiro tire também as suas mãos e reconheça que perdeu a disputa. Celsimar confessou que assassinou André porque interessava em ficar com Tatiane da Silva, mulher da vítima, com a qual estava tendo um caso amoroso.

Celsimar confessou ainda que ocultou o cadáver com a ajuda de Cristiano Joé de Alencar, 30 anos. Os dois utilizaram de uma bicicleta para, na madrugada em que aconteceu o assassinato, transportar o corpo da vítima do barracão até o Córrego Sampaio, em Pires do Rio.  Celsimar confessou ainda que utilizou de um facão e tentou esquartejar a vítima, como não conseguiu, abriu a barriga do mesmo e jogou seu corpo no córrego. De acordo com o laudo pericial, o coração e o fígado da vítima desapareceram. Indagado, Celsimar nega a prática de canibalismo. Na sexta-feira, 22, foi feita a reconstituição do crime.

Texto: Geralda Ferraz – Escrivã de Polícia