Polícia Civil: DECAR recupera R$ 800 mil em roupas e tecidos roubados em São Paulo

749

Tecidos roubas no interior do galpão na Vila Yate

Depois de quatro meses de investigação, policiais civis da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas (Decar) identificou duas empresas que comercializavam roupas que têm como procedência cargas roubadas no interior de São Paulo e prendeu os gerentes de duas lojas e vai indiciar seus proprietários.

O delegado José Maria da Silva, titular da Decar, disse que começou a investigar em setembro do ano passado a denúncia do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) de que lojistas estariam comercializando roupas roubadas na capital.

Em dezembro, a Decar fez uma operação na Rua 44, no Setor Norte Ferroviário, e apreendeu cerca de R$ 200 mil em roupas falsificadas. Foi a partir desta operação que a polícia chegou ao empresário Pedro Ramos Davi, de 59 anos, proprietário da rede de lojas Di Ramos, e o filho dele, Elder Davi Cardoso, dono da Tok da Moda.

No galpão de propriedade de Pedro Ramos foram apreendidas pelos policiais civis cerca de R$ 800 mil em roupas e tecidos roubados em São Paulo por uma quadrilha ligada ao Primeiro Comando da Capital (PCC) que repassava aos empresários goianos.

As roupas roubadas são de cinco grandes lojas principalmente, segundo o delegado. C&A, Carrefour, Wallmart, Marisa e Riachuelo registraram grandes roubos de cargas desde janeiro do ano passado.

                                                                             Galpão

No galpão que fica na Rua Laurício Rasmussem, na Vila Yate, as roupas eram retiradas das embalagens, tinham o dispositivo antifurto retirado e as etiquetas trocadas, mas por serem produzidas para as próprias marcas, muitas ainda tinham identificação da origem

O galpão foi descoberto pela Decar na quarta-feira. Desde então as cargas roubadas têm sido entregues às lojas vitimadas. De lá, os policiais estiveram na matriz da rede de lojas Di Ramos e na Loja Tok da Moda, ambas na Avenida Bernardo Sayão, no Setor Fama.

Nas duas, os policiais encontraram roupas das marcas exclusivas do Wallmart e do Carrefour sendo comercializadas. O gerente da Di Ramos, Marcos Inácio Ribeiro, de 37, e a gerente da Tok da Moda Aurelina Magalhães da Silva, de 35, foram presos em flagrante por receptação qualificada. Os proprietários das lojas também serão indiciados pelo mesmo crime.

O delegado José Maria da Silva acredita que estes sejam apenas os primeiros empresários flagrados pela Polícia Civil. “Tivemos notícia, há um ano, de que tinha um grupo de empresários enriquecendo com a venda de mercadoria roubada. Pegamos os primeiros. Vamos identificar os outros”, afirmou.

Fonte: O Popular
Texto: Rosana Melo
Foto: G1/GO