Decon prende em Caldas Novas cinco suspeitos de clonar cartões com a conivência de frentistas

300
Quadrilha presa pela Decon (Foto G1)

A Polícia Civil prendeu na quarta-feira (3.10), em Caldas Novas, região sul de Goiás, a 169 km de Goiânia, cinco homens suspeitos de integrarem uma quadrilha internacional de clonagem de cartões de crédito e de golpes pela internet. Segundo a polícia, o chefe do grupo é um hacker, que já tem várias passagens pela Polícia Federal suspeito de invadir sistemas bancários e roubar senhas de clientes.

Dois dos suspeitos detidos são funcionários de um posto de combustíveis, que, de acordo com as investigações, receberam propina para ajudar a instalar no local uma máquina viciada, que copia os dados dos cartões dos clientes.

“De posse desses dados, a quadrilha fabricava o cartão. Ou seja, clonava aquele cartão, daquele cliente. Faziam compras, faziam saques. Tudo aquilo que você fazia com o seu cartão, eles faziam também. Além disso, de posse desses dados, essa quadrilha vendia esses dados para outras quadrilhas situadas fora do estado de Goiás”, afirma o delegado adjunto da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor (DECON), Valdemir Pereira da Silva.

Delegado Valdemir Pereira da Silva

A polícia continua investigando o caso, pois acredita que mais pessoas estão envolvidas com a quadrilha. Os policiais civis disseram que a quadrilha atuava no Brasil e também em outros países, como Estados Unidos da América (EUA), Áustria e Espanha, sempre comprando funcionários de comércios para que eles trocassem a máquina original pela viciada.

Com os suspeitos, a Polícia Civil apreendeu vários aparelhos telefônicos, pen-drive com informações bancárias de clientes, máquinas e cartões. No notebook do grupo, havia uma relação com todas as agencias bancárias do país e mais de 30 mil dados de consumidores de diferentes países. A polícia acredita que as informações eram vendidas para estelionatários de todo o mundo. Em Goiás eles atuavam em Luziânia, Anápolis, Caldas Novas, Ipameri, Catalão e em Goiânia.

Fonte: G1/GO