Polícia Civil: DEIC prende dono de farmácia em Nova Fátima que vendia kit para emagrecimento

583

A promessa de emagrecer sem fazer muito esforço atraiu centenas de clientes e garantiu uma clientela cativa para José Pedro de Souza Cunha, de 41 anos, proprietário de uma farmácia em Nova Fátima, distrito de Hidrolândia. Com ensino médio completo e nenhuma formação na área de saúde, José Pedro montava kits de emagrecimento, que incluía medicamentos cuja venda só pode ser feita com prescrição médica, em receituário especial. Acabou preso pela Polícia Civil.

José Pedro foi preso em flagrante, no fim da tarde de quarta-feira, por policiais civis da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic),quando se dirigia para fazer uma entrega do produto. Esse era um diferencial do seu atendimento. Antes de prescrever o kit, que custava R$ 80,00 (o mais completo) ele ia na casa da cliente, fazia uma espécie de consulta e depois entregava os remédios, com modo de usar e versículos bíblicos, em domicílio.

Os kits continham remédios suficientes para um mês de “tratamento”. José Pedro retirava os medicamentos da embalagem original e fracionava em frascos, utilizados por farmácias de manipulação, reunia os cinco produtos da fórmula e embalava com sacos plásticos. Na composição, um medicamento para inibir o apetite, a sibutramina, cuja venda é restrita, um antidepressivo (fluoxetina), remédio para evitar mal-estar no estômago e para evitar retenção de líquido e intestino preso.

Delegado Marco Antônio Morbeck e os medicamentos apreendidos

O endocrinologista Nelson Rassi explica que este tipo de medicamento só deve ser prescrito por endocrinologistas, para tratamento de obesidade, em receituário específico. Além disso, assinala, médico e paciente devem assinar um termo de conhecimento de todos os efeitos colaterais provocados pela medicação, que podem ser graves, principalmente em pessoas com problemas cardiovasculares. Entre os efeitos colaterais da sibutramina estão enfarte e angina. Nelson Rassi alerta que é preciso ter cuidado na hora de usar medicamentos para emagrecer, o que só deve ser feito com orientação de um médico.

José Pedro admite a prática e diz que trabalhava assim há cerca de três anos. Antes de se mudar para Nova Fátima, mantinha farmácia no Setor Madre Germana, em Goiânia, mas fechou por conta dos custos. Precisava manter dois farmacêuticos responsáveis pelo estabelecimento. Em Nova Fátima não tinha nenhum. Alegou não se tratar de farmácia, mas de um posto de medicamentos, que dispensava a presença do profissional.

Ele também montava kits diferenciados de acordo com as necessidades de suas clientes. Numa versão mais compacta, oferecia medicamentos para intestino preso e retenção de líquido e outro para o estômago. José Pedro comercializava em média 60 kits por mês.

Diz ser experiente

José Pedro admite o erro, mas não o risco de vender medicamentos em orientação de um médico. “Faço tudo com segurança, com experiência de 22 anos trabalhando em farmácia. Vendo e acompanho o cliente. Eu vou, converso e só vendo remédio para 30 dias de tratamento”, diz, frisando que nunca teve problema com os clientes.

Entre os medicamentos comercializados ilegalmente por José Pedro, estão Diazepan, sibutramina, sertralina e Pramil, este último ele admite que fazia venda avulsa em bares e para caminhoneiros. Foram apreendidas 30 caixas de sibutramina fechadas, 28 de sertralina (antidepressivo), 8 kits montados e medicamentos fora da embalagem.

Adjunto da Deic, o delegado Marco Antônio Morbeck frisa que José Pedro será indiciado por crime contra a saúde pública. José Pedro não tem passagens pela polícia, mas consta, em seu nome, com pequenas alterações de informações na grafia do nome e filiação, quatro CPFs.

 

Texto: Carla de Oliveira e Camila Blumenschein
Fonte: O Popular
Foto: Mantovani Fernandes