Polícia Civil: Deic prende três suspeitos de roubar e matar vítimas nas saídas de bancos.

516
Trio preso pela Polícia Civil

Presa quadrilha de saidinha de banco

Três suspeitos de roubar e assassinar duas vítimas de saidinha de banco no ano passado foram presos e apresentados pela Polícia Civil. Uma das vítimas do trio foi o confeccionista Wankire Viana Bezerra, de 38 anos, assassinado em agosto de 2011 após sacar R$ 50 mil no Jardim Guanabara, região norte de Goiânia.

A outra foi a diarista Maria Lina Tavares, 51, assassinada em setembro na porta de uma agência bancária no Setor Jardim Goiás. Ela foi baleada com um tiro na cabeça por dois homens que ocupavam uma motocicleta Honda CB 300 vermelha, depois de ter sacado R$ 1.572.

O delegado adjunto da Delegacia de Investigações Criminais (Deic), Douglas Pedrosa, afirmou que o trio – Mauro Lima de Morais, de 18 anos, Wanatha Inácio Barros, 19, e Johnattan Mackwel Alcântara da Silva, 19 – foi preso por um mandado de prisão temporária no dia 8 de dezembro do ano passado, mas a apresentação para a sociedade foi ontem, devido ao levantamento de provas.

A Polícia Civil levantou dados telefônicos dos suspeitos e encaminhou oito armas para a perícia. Cinco testemunhas reconheceram os acusados e ainda foi realizado um confronto de microbalística em que foi confirmada que a mesma arma foi utilizada nos dois crimes.

De acordo com Douglas Pedrosa, antes da prisão dos três suspeitos, a cada dois dias, era registrada uma saidinha de banco em Goiânia, uma média de 15 por mês. E depois do dia 8 de dezembro, foram apenas cinco ocorrências. Há indícios da participação dos acusados em outros oito inquéritos do mesmo tipo de crime.

Na ação, cada um tinha sua função. Johnattan era o olheiro dentro da agência. Ele ficava na fila de abertura de conta ou empréstimo e ouvia o barulho de saque de grande quantia e acionava os outros dois. Wanatha era o piloto da moto e Mauro o responsável pela abordagem da vítima. Pedrosa acredita que Maria Lina foi morta acidentalmente. “Eles pensavam que ela tinha sacado uma quantia maior.”

Os três foram indiciados por latrocínio, isto é, roubo seguido de morte, em que a pena varia entre 20 a 30 anos de reclusão. No primeiro homicídio, Mauro ainda era menor de idade. Ele também é investigado por outros roubos e homicídios. “O Mauro disse dentro da carceragem que já matou dez pessoas.” Wanatha e Johnattan têm passagem por porte ilegal de arma. Todos estão nas carceragens da Deic.

 

Texto: Cejane Pupulin (O Hoje)
Foto: André Saddi (Site A Redação)