Denarc faz a maior apreensão de maconha do ano no Estado: 1,3 toneladas tiradas de circulação

724
Maconha apreendida pela Polícia Civil em Aparecida de Goiânia

A Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos (Denarc) apreendeu na tarde de ontem, 21/05, 1.300 quilos de maconha – a maior apreensão da droga feita esse ano pela Polícia Civil.  A droga estava em poder de Dalvan da Silva Pereira, de 25 anos e Iury Martins da Silva, 24 anos, que responderão pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico de drogas e posse irregular de arma de fogo. Junto com eles  foi  foi apreendido o menor J.Z.D.R.C., de 17 anos, que tinha em sua posse duas armas de fogo.

Dalvan, que se intitulava “O Rei da Maconha”, e Iury estavam sendo monitorados desde janeiro  até serem presos. Dalvan usava uma residência alugada no Setor Buriti Sereno, em Aparecida de Goiânia, para guardar a droga. Depois, visando garantir mais segurança para não ser encontrado pela polícia,  mudou o local do depósito para uma residência em um condomínio fechado na Chácara Santa Luzia, também em Aparecida de Goiânia

Durante as investigações, os Policiais Civis descobriram que Dalvan faria uma entrega de maconha às 14 horas de ontem (dia 21.05). Os policiais da Denarc ficaram próximos à residência de Dalvan monitorando os veículos que entravam e saiam do condomínio e, por volta das 14h30, um veículo VW/GOL entrou no condomínio e após poucos minutos deixou o local, indo para a Avenida Independência.  O veículo foi perseguido e logo em seguida abordado, pois os traficantes estavam desconfiados da perseguição. Na abordagem, Iury, que estava ao volante do Gol, deu a marcha a ré e saiu em alta velocidade, tendo Dalvan como passageiro. Os policiais atiraram nos pneus do carro, fazendo com que Iury perdesse o controle e batesse com a traseira do veículo numa  árvore.

Dalvan e Iury: Os traficantes presos Foto: Edilson Pelikano - O Hoje

Dentro do carro foram apreendidos 67 tabletes de maconha e mais 3 porções da mesma substância, pesando 62 quilos. Posteriormente, os Policiais Civis apreenderam no interior da casa alugada, dentro do  condomínio,  o restante da droga, armazenada num dos quartos e no banheiro.  Na casa da sogra de Iury foram apreendidas as duas pistolas, uma calibre 380, com numeração raspada, e outra uma calibre  Ponto 40, de uso restrito. A primeira arma é de Iury e, a segunda, era usada pelo menor que fazia o serviço de “batedor”.

Dalvan Pereira e Iury Martins entregavam a  droga sempre em horários de grande fluxo de pessoas e veículos. Para não chamar a atenção, eles usavam o estacionamento de um grande supermercado, situado no Bairro Cardoso, e faziam entregas também em frente à MABEL e no estacionamento da FANAP, no horário de entrada dos alunos. Através das anotações de fluxo de caixa dos indiciados estima-se que a média de ganho mensal dos dois era de 1 milhão de reais, dinheiro que lucravam com a venda de drogas.