Operação Tolerância Zero prende suspeitos de arrastão e fecha casa de prostituição

347
Polícia Civil: 8º DP desencadeia Operação Tolerância Zero

Operação faz abordagem
em bares e locais de
maior criminalidade
na região sul. Casa de
prostituição é fechada

 

Diversas pessoas abordadas, decretos de prisão e o fechamento de uma casa de prostituição foram alguns dos resultados da Operação Tolerância Zero desencadeada pela Polícia Civil, sob o comando do delegado titular do 8º Distrito Policial (DP), Waldir Soares, na madruga de ontem (23.03). Segundo ele, a operação não tem prazo para conclusão. “Iniciamos à meia-noite em bares e locais de maior índice de crimes”, diz. Segundo o delegado, já no primeiro estabelecimento, duas pessoas foram presas. “O dono do estabelecimento estava vendendo cigarro contrabandeado e uma das pessoas no local estava com um facão”, ressalta.

Seguindo com a operação, abordando em posto de combustível, foi encontrado um menor, de 16 anos, que estava portando maconha e um outro rapaz com quatro pedras de crack. Logo após, no Setor Santo Antônio, a Polícia Civil encontrou uma casa de prostituição.

 “Fechamos a casa. Havia cerca de 40 clientes e, entre eles, de 15 a 20 garotas de programa e também travestis. No estabelecimento também tinha um espaço para encontros íntimos.” O proprietário do espaço, o americano Lawrence Jay Picker, e sua esposa Andreia Pulcino dos Santos foram detidos.

Arrastão

 Na mesma noite também foram encontrados cinco rapazes que haviam acabado de assaltar e realizar um arrastão contra os clientes de uma lanchonete da Subway, no Setor Pedro Ludovico. Celulares, dinheiro, carteiras e outros bens de valor foram levados pelos marginais.

Foram presos John Lennon Dias de Brito, de 23 anos; Leandro Amorim Minas, 24; Moardo Anjos da Rocha, 18; Wildson Gomes Silva, 23; e Oscar Santos Silva, 24.  Com o grupo foram apreendidas duas armas de fogo, além de R$ 582 em espécie, 15 celulares e três relógios.

 Segundo Waldir Soares, os homens fazem parte de uma quadrilha especializada não somente em fazer assaltos a estabelecimentos comerciais, mas também roubos e furtos de véiculos. Ainda conforme o titular do 8º DP, os jovens presos são de Trindade e vêm a Goiânia para realizar os mais diversos tipos de crime.

O DM encontrou uma das vítimas do assalto a lanchonete Subway, o estudante Hugo Leonardo Mesquita. “Entrei na lanchonete e já fui abordado por um deles, que me levou para um canto, ele levantou minha camisa para ver se eu estava armado. Tinha umas sete ou nove  pessoas no local. Eu estava com minha namorada. Pediram meu celular e a carteira. Só pedi para me devolverem os documentos e, depois que discutiram, a deixaram.”

Segundo Hugo, os bandidos mandavam os funcionários da lanchonete abrir a porta do cofre que estava no estabelecimento. “Eles xingavam e gritavam muito para o pessoal abrir o cofre e jogaram um cartão na cara dos funcionários da lanchonete. Pediram também para tirarmos os relógios, e quando uma mulher entregou (o relógio dela),  um deles falou que era falso.”  Segundo o estudante, os bandidos ainda ameaçaram atirar em alguém, caso os funcionários não abrissem o cofre. “Foi uma das piores situações que já vivenciei”, frisou.

No site do Diário da Manhã (www.dm.com.br) está disponível um vídeo com algumas partes da ação dos policiais na Operação Tolerância Zero.

Fonte: Diário da Manhã
Texto: Nayara Reis
Foto: Polícia Civil