Polícia Civil e MP desarticulam quadrilha que comandava roubos de veículos e tráfico

373
Policial Civil conduz mulher presa durante a operação - Foto G1/GO

Comando por trás das grades

Presos articulavam roubos de veículos e troca por drogas de dentro do Complexo Prisional de Aparecida

Um esquema altamente articulado e organizado. Líderes que zombavam da ação da polícia e das vítimas e que faziam suas encomendas de dentro do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. A organização criminosa, segundo as autoridades, responsável por cerca de 70% dos roubos a veículos ocorridos em Goiânia e região, foi desarticulada ontem, em operações paralelas deflagradas pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO) e Polícia Civil, que resultaram na prisão de 65 pessoas, cumprimento de 37 mandados de busca e apreensão, bloqueio de 30 contas bancárias e apreensão de 30 carros e quatro motos.

O roubo de veículos na Grande Goiânia, que também alimenta e fomenta o tráfico de drogas e outros crimes ligados a ele, era comandado por grupos organizados, com rígida divisão de tarefas e ramificações por outros estados: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Maranhão, de dentro da Casa de Prisão Provisória (CPP) e Penitenciária Odenir Guimarães (POG). Entre os presos ontem estão um agente prisional e um homem que é considerado um dos maiores traficantes de maconha do País, com atuação também no Paraguai.

AUMENTO DE ROUBOS

Hoje, segundo estimativa do titular da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DERFRVA), Edson Carneiro Caetano, a média diária de roubos em Goiânia é de 15 veículos. Esse número é 50% a maior do que média registrada em 2011, quando foram roubados 3.661 veículos em Goiânia.

Presos na operação da Polícia Civil e do Ministério Público - Foto Mantovani Fernandes (O Popular)

O crescimento é percebido em todo Estado, onde os números são ainda mais assustadores. Nos dois primeiros meses deste ano, a Secretaria de Segurança Pública de Goiás reconheceu um aumento de 90% no número de veículos roubados no Estado em relação ao mesmo período do ano passado.

A estrutura e o modo de ação da quadrilha não são novidades. Em 2007, operação deflagrada pela Polícia Civil, denominada Ali Babá, prendeu 47 pessoas, sendo que 11 delas comandavam as ações criminosas de dentro do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. A operação, comandada pelo então delegado adjunto da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DERFRVA), Waldir Soares, identificou esquema semelhante de roubos de veículos para compra de drogas.

OUTROS CRIMES

Além dos roubos, o Ministério Público e a Polícia Civil identificou, em gravações autorizadas pela Justiça, o envolvimento com inúmeros outros crimes, incluindo homicídios, estelionato, lavagem de dinheiro, receptação, adulteração de veículos e falsificação de documentos. As gravações revelam que os presos faziam as encomendas de veículos, indicavam quem iria roubá-los, para onde levar e a quem entregar os veículos.

Em vários trechos, eles riem de ações da polícia e comemoram a morte dos delegados da Polícia Civil, no acidente da queda de um helicóptero da corporação, em maio deste ano, durante as investigações da chacina de Doverlândia. O promotor Dênis Bimbati, coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), destacou o grau de organização da quadrilha, que agia preferencialmente em roubos a mão armada.

Fonte: O Popular
Texto: Carla Oliveira