Polícia Civil fecha distribuidora clandestina de cosméticos

284

cosmA Polícia Civil, por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor (Decon), fechou na última quinta-feira (4) uma distribuidora de cosméticos que funcionava de forma clandestina no Setor Sudoeste, em Goiânia. O estabelecimento não possui licenças e alvarás sanitários, mas comercializa produtos capilares a salões de beleza da capital. Alguns itens encontrados não tinham nem mesmo rótulo de identificação. A ação, realizada de forma conjunta com a Vigilância Sanitária Municipal, faz parte da Operação Guardião – deflagrada na segunda-feira (30).

A distribuidora foi descoberta após denúncias sobre o local, que funcionava dentro de uma casa. De acordo com as investigações, a empresa era administrada por dois sócios, que compravam produtos de uma empresa de São Paulo e revendiam em Goiânia.

Várias irregularidades foram encontradas. Os produtos estavam com tampas incorretas e sem lacre. “São recipientes que não oferecem a menor segurança para os profissionais que manuseavam os produtos e para o consumidor final, que corriam sérios riscos de intoxicação ou problemas dermatológicos. As tampas foram simplesmente adaptadas”, afirma o delegado Frederico Maciel, que acompanhou a ação.

A Decon aguarda relatório detalhado da Vigilância Sanitária para apurar a gravidade dos riscos que os produtos levavam à população, já que eram revendidos diretamente a salões de beleza e centros de estética.

De acordo com as investigações, o local faturava cerca de R$ 30 mil por mês. Cerca de R$ 40 mil em produtos apreendidos serão incinerados e o estabelecimento ficará fechado até que atenda todas as normas da legislação vigente. Além disso, os dois sócios responsáveis pela distribuidora podem responder por crimes contra a saúde pública e contra as relações de consumo.