Genarc, de Itumbiara, prende nove pessoas por tráfico. Com elas, 366 pedras de crack

513
Pedras de crack apreendidas pelo Genarc prontas para a venda

Genarc apreende 366 pedras de crack

Texto: Rosana Melo
Fonte: O Popular

O Grupo Especial de Repressão a Narcóticos (Genarc) da Polícia Civil de Itumbiara deflagrou uma operação contra o tráfico na noite de sexta-feira na cidade e prendeu em flagrante nove pessoas, seis delas estavam com 366 pedras de crack presas ao corpo e 100 gramas de cocaína.

A primeira parte da operação aconteceu ainda durante a tarde, quando Ezequiel Rosa de Araújo, de31 anos, e Ítalo Augusto de Araújo, de 20, foram presos em flagrante vendendo maconha no Bairro Social. Com eles, foram apreendidas 8 porções de maconha e um soco inglês. Ezequiel tinha um mandado de prisão em aberto por tráfico de drogas desde o ano passado.

Delegado Ricardo Chueire

Por volta das 20 horas, os policiais civis prenderam Rogério Oliveira Xavier, de 24, Joaquim Divino dos Reis, de 55, Daniel Pereira de Oliveira, de 32, e Cirino Ferro Neto, de 26, quando eles trafegavam em um Santana com placas de Pontalina.

Crack: 366 pedras

Eles teriam ido a cidade para comprar crack. De acordo com o chefe do Genarc de Itumbiara, delegado Ricardo Torres Chueire, o grupo foi monitorado e só foi preso quando já havia fechado negócio com o casal Rodrigo Martins Oliveira, de 27, e Helena Pereira dos Santos, de 40. A quadrilha formada pelos vendedores e pelos compradores do crack foi presa em um posto de combustíveis fora da cidade, na BR-153.

Maconha areendida na operação da Polícia Civil em Itumbiara

As 366 pedras de crack estavam presas aos corpos dos quatro primeiros (os compradores) no momento da prisão. Com o casal que vendeu a droga, a polícia encontrou 100 gramas de cocaína e uma faca que estaria impregnada com a droga. Essa foi a terceira vez que Rodrigo e Helena foram presos em flagrante por tráfico de drogas.

A última pessoa a ser presa na operação foi Carlos Roberto Oliveira Júnior, de 25, com 5 quilos de maconha em tijolos e em porções. Ele foi preso em casa, no Bairro Boa Vista, no momento em que voltava de Uberlândia, em Minas Gerais, onde comprou a droga para ser revendida em Itumbiara.

Conhecido com Tchula, Carlos Roberto já foi condenado por tráfico e assalto, sendo considerado uma pessoa de alta periculosidade. Os nove autuados foram encaminhados para o Presídio Regional de Itumbiara. De acordo com o delegado Ricardo Torres Chueire, esta foi a maior apreensão de crack – em número de porções – realizada este ano pela Polícia Civil.

Os Traficantes