Polícia Civil: Genarc, de Posse, desarticula esquema de financiamento do tráfico

271
Dinheiro apreendido pela Polícia Civil com A.H.R.P

A Polícia Civil, através do Grupo Especializado de Repressão a Narcóticos – GENARC, da 13ª DRP, de Posse, desarticulou esquema de financiamento de compra de drogas para posterior revenda à pequenos traficantes e usuários. De acordo com as investigações, que duraram cerca de 04 (quatro) meses, alguns traficantes da cidade haviam criado linha de financiamentos para estruturarem-se economicamente e adquirirem drogas com recursos financeiros provenientes de outros crimes.

A.H.R.P promovia a entrada de produtos contrabandeados do Paraguai para revendê-los na região com porcentagens de lucro superiores à 300%. Após apurar o valor da venda dos produtos contrabandeados o indivíduo reinvestia o dinheiro, sendo que parte dele era aplicada no tráfico, mediante aquisição de drogas;  outra parte era mantida como capital de giro dos contrabandos e o restante era utilizado na exploração de jogos de azar, como  jogo do bicho e  caça-níqueis. O lucro destes últimos também era utilizado para financiar o tráfico.

Durante as investigações,  os Policiais Civis, sabendo que o A.H.R.P.  traria altas somas em dinheiro para empregar no tráfico e produtos de contrabando para revenda, abordaram o veículo conduzido pelo mesmo e no interior dele localizaram aproximadamente  12 mil reais em dinheiro, 20 potências (módulos) automotivas, 32 Auto-falantes automotivos, aproximadamente 5 mil  unidades de brinquedos infantis, cerca de 60 raquetes mata-moscas, dentre outros objetos.

De acordo com o delegado Vicente de Paulo Silva e Oliveira, titular do GENARC, além de incorrerem em contrabando e descaminho por trazerem os produtos  contrabandeados do Paraguai, o preso  também estaria incurso em crimes contra o consumidor, já que os bens apreendidos não ostentam suas características e sinais de perigo no rótulo de suas embalagens, além do que não passaram pela inspeção do  INMETRO. O delegado ressaltou ainda que assaltos e furtos também têm sido utilizados como expediente para financiar o narcotráfico e, uma vez que têm encontrado resistência, em consequência da ação da Polícia Civil, os criminosos  vêm diversificando suas atividades  através do contrabando e de crimes contra o consumidor.

Geralda Ferraz – Escrivã de Polícia