Polícia Civil intensifica buscas a autor de atentado contra advogado

346
branco
Delegado Valdemir Branco

O delegado Valdemir Branco, da Delegacia de Investigações Criminais (Deic), falou, na manhã desta quinta-feira (27) sobre o andamento da investigação que apura o atentado a bomba contra o advogado Walmir Oliveira da Cunha, de 37 anos, ocorrido em 15 de julho. A partir de hoje, a Polícia Civil irá distribuir cerca de 300 cartazes nas cidades da Anápolis e Goiânia com imagens do suspeito.

Durante entrevista coletiva, o delegado pediu o apoio dos veículos de comunicação para divulgar o caso e ajudar na identificação do suspeito, que enviou um pacote com explosivos ao escritório do advogado, no Setor Marista. O advogado teve quatro dedos da mão esquerda decepados. A recepção do escritório ficou totalmente destruída após a explosão.

No dia 20 de setembro, a Polícia Civil divulgou um vídeo que mostra o suspeito de enviar bomba para o escritório de advocacia. Imagens de uma câmera de segurança, no setor Cidade Jardim, mostram um homem de aproximadamente 60 anos passando pela calçada momentos depois de negociar a entrega da encomenda, contendo o artefato explosivo, com um motoqueiro da região.

O motociclista, que não sabia do teor da embalagem, cobrou R$25 pela entrega. Ele foi ouvido pela polícia, que descartou participação no crime. De acordo com o delegado Valdemir Branco, o crime foi planejado e executado com precisão, o que leva a crer que um policial pode estar envolvido no atentado. Segundo apontou a perícia realizada, os materiais e a montagem do sistema de explosão indica que quem a produziu possui certo nível de especialização no assunto.