Polícia Civil: Morte de menina encontrada em lago de Goiânia foi acidental, afirma Delegado

315

Lago onde Natália Alves foi encontrada morta

Mesmo sem laudos, Polícia Civil
concluiu inquérito da morte da
criança. Amiga viu Natália
se afogar, mas não contou
antes por medo de apanhar

A Polícia Civil concluiu nesta quarta-feira (8) o inquérito sobre a morte de Natália Alves Rodrigues, de 10 anos, que foi encontrada morta no lago do Jardim Botânico de Goiânia. Para o delegado responsável pela investigação, Adriano Costa, a menina afogou acidentalmente ao ir brincar no local com uma amiga, que não contou o que viu antes por medo de apanhar. Ele explicou que ocorreu um conjunto de “atos falhos”, por isso, ninguém foi indiciado pela morte da menina.

Natália desapareceu no fim da manhã do dia 25 de setembro. Depois de ir para a aula e encontrar a escola fechada por causa da greve dos professores municipais. O corpo dela foi encontrado boiando no lago no dia 26. Inicialmente, a polícia trabalhava com duas linhas de investigação: afogamento acidental ou assassinato.

O delegado não esperou a conclusão dos laudos do Instituto Médico Legal para terminar o inquérito. Segundo Costa, os peritos passaram informações preliminares de que não havia sinais evidentes de violência no corpo dela. Além disso, para a polícia, foi esclarecedor o depoimento de uma menina de 9 anos, que aparece com Natália em imagens de câmera de segurança de um supermercado antes de ela desaparecer.

Em depoimento à polícia, a garota contou que as duas tinham ido brincar no Jardim Botânico e decidiram entrar no lago. Natália, que não sabia nadar, teria ido primeiro e se afogado. Conforme o delegado, a amiga da vítima não contou aos pais sobre o acidente porque estava com medo de apanhar.

“Essa criança, por ter presenciado isso, ficou extremamente aterrorizada de ser responsabilizada. Então, voltou para casa e não contou para ninguém. Nós, inclusive, encaminhamos a menor para o psicólogo do IML para constatar se ela estava ou não sofrendo pressão para omitir a verdade. Foi constatado que ela estava sim omitindo a verdade. Foi possível, com o auxilio dos próprios familiares dela, a consecução da verdade dos fatos e o esclarecimento do que ocorreu com a menina Natália”, afirma o delegado.

Após a declaração da menina, a polícia levou a testemunha até o local onde Natália se afagou (veja vídeo acima). Nas imagens divulgadas pelo delegado, a garota, que está vestindo uma camiseta branca, mostra o ponto exato em que a amiga entrou no lago. Os bombeiros verificaram que a profundidade do local é de 2,38 metros.

Natália Alves Rodrigues: morte por afogamento

O delegado não tem dúvidas de que se trata de um afogamento acidental. Por isso, não vai indiciar ninguém, nem a prefeitura, que é responsável pela administração do Jardim Botânico. “Nós notamos que evidentemente há uma concatenação dos atos que levaram à morte. Atos falhos de diversas instituições e pessoas. Não há como responsabilizar uma só”, explicou.

                                                                   Desaparecimento

Natália desapareceu no fim da manhã de quarta-feira (25) depois de ir para a aula. Como não teve aula, ela foi a um supermercado do bairro com duas amigas. Câmeras de segurança mostraram a garota comprando um lanche. Em seguida, ela teria ido para a porta de casa brincar. Pouco antes das 11h, foi vista com vida pela última vez.

Fonte: G1