Polícia Civil prende acusado por assalto a casa de Miguel Tiago, Diretor do Procon de Goiânia

398
Edi Wilson Felix de Miranda: suspeito do robuo

Policiais Civis do 26º DP identificaram
o homem tido como mais violento
do grupo a partir das tatuagens que
ele possui e que foram 
reconhecidas
pelas vítimas

Policiais Civis do 26º DP prenderam ontem, dia 25.04., um dos autores do assalto à residência do Diretor do Procon Goiânia, Miguel Tiago, fato ocorrido em dezembro de 2012 e que após comentários no Twitter que relacionaram bandidagem à tatuagem ganhou repercussão nacional. Miguel Thiago e toda sua família foram mantidos reféns sobre grave ameaça. Os outros envolvidos já foram identificados.

Segundo a delegada Sabrina Leles, titular do 26º Distrito Policial de Goiânia, Edi Wilson Felix Miranda, de 20 anos, foi identificado e vinha sendo investigado a partir das tatuagens que possui e que foram relatadas pelas vítimas em depoimentos, já que durante a ação manteve seu rosto encoberto.

Ele tem uma carpa tatuada no braço direito e seus dois primeiros nomes no antebraço esquerdo. “O Edi Wilson era o alvo principal por ser o mais violento. Já responde por porte de arma e roubo e agora vai responder por roubo qualificado, pois estava armado e agrediu as vítimas. Ele é muito perigoso”, reitera.

Edi foi preso na tarde de ontem no Conjunto Itatiaia, Região Norte da capital. Conforme a delegada, ele não apresentou resistência e não nega o crime, “até porque o celular de uma das vítimas estava com ele no momento da abordagem”, completa.

Sabrina Leles informa que a prisão de Edi Wilson poderia ter ocorrido antes. A delegada chegou a pedir a prisão preventiva dele e teve autorização da Justiça para realizar busca e apreensão em sua casa, mas ele se mudou e novas apurações tiveram de ser feitas. “Ficamos de campana quando o localizamos novamente.”

Depois de instaurada a querela, o petista Miguel Tiago retornou ao Twitter para justificar as afirmações que depois classificou de mal entendido, quando relatou que os assaltantes estavam com a cabeça coberta, o que fez com que ele se ativesse às tatuagens e então fizesse a relação como forma de desabafo.

Sabrina Leles ressalta que tal a identificação do acusado só foi possível devido a dedicação de uma das Agentes de Polícia do 26º Distrito Policial que, para ter acesso aos álbuns de fotografias do estúdio de tatuagens frequentado por Edi Wilson, tatuou um desenho em seu próprio braço e conseguiu visualizar com maior precisão as tatuagens no corpo do autor do roubo.

Depois disso as fotografias de Edi Wilson foram apresentadas às vítimas que prontamente o reconheceram como sendo um dos autores do roubo. Através deste reconhecimento foi possível identificar os outros integrantes da quadrilha e decretar a prisão de todos os envolvidos.

Um dos aparelhos celulares roubados da casa da vítima foi apreendido com Edi Wilson. Ele  trazia o referido aparelho dentro do bolso da bermuda no momento de sua prisão, o que confirmo umais aind aa sua participação no roubo.

Fonte: http://www.jornalopcao.com.br
Texto: Ketllyn Fernandes