Polícia Civil prende quadrilha especializada em golpes em empréstimos consignados

630

A Polícia Civil iniciou nesta quarta-feira (05.09) a Operação Margem Livre que desarticulou uma quadrilha responsável por golpes bancários. A ação da polícia teve seis mandados de prisão emitidos, mas três cumpridos, sendo que outros três suspeitos integrantes estão foragidos.

Objetos apreendidos com a quadrilha

De acordo com o delegado adjunto do 5º Distrito Policial, Carlos Eduardo Gallieta, o chefe da quadrilha seria Victor Hugo Borges, de 27 anos, que é um corretor de empréstimos juntamente com o seu primo Leonardo Borges Fernandes. Ambos são donos da empresa L&V business, que foi fechada após a operação.

“Eles atendiam funcionários públicos de ‘contracheque’ elevado, idade entre 65 e 70 anos e trabalhavam com empréstimos consignados”, explica Gallieta. Existe em Goiás um sistema que limita em até 30%, sobre o salário do servidor público, o valor de empréstimos. Porém, segundo o delegado, “muitos já tinham estourado essa margem e queriam ter ainda mais”.

De acordo com a Polícia Civil, aos poucos a quadrilha colocava na mente do cliente que era possível conseguir uma margem maior e dessa forma começaram a emitir empréstimos de forma fraudulenta.

“Como o sistema do Estado contém os cadastros dos servidores, então eles ou mesmo alguém lá de dentro ‘hackeava’ esse cadastro liberando para novos empréstimos. Criavam uma margem falsa. Ainda investigamos e procuramos descobrir quem era essa pessoa que invadia o sistema”, afirma Gallieta.

Após a liberação para novos empréstimos, a quadrilha cobrava do servidor um pagamento via conta-corrente, mas o delegado explica que “assim, o funcionário público continuaria tendo que pagar o empréstimo anterior que, na verdade, não teria desaparecido e realizava o pagamento desta taxa para os criminosos”.

Apreensões

Na casa de Victor Hugo, que não tem passagem pela polícia, foram apreendidos carros de luxo e, na dos demais suspeitos, jóias, vários computadores, máquinas fotográficas, celulares e televisores. A Polícia Civil ainda não tem o valor estimado de todos os bens apreendidos.

Fonte: O Hoje
Texto: Gabriel Trindade
Foto: Fabio Lima