Polícia Civil: Reconstituição aponta que cantor sertanejo Bony Júnior teria sido executado

266
Bony Júnior, morto em perseguição policial

 Sertanejo teria sido executado,
aponta reconstituição da Polícia
Civil

As polícias Civil e Técnico-Científica reconstituíram, baseadas nas afirmações dos policiais militares, a situação em que o cantor sertanejo Bony Júnior foi morto. O cantor fazia dupla com o parceiro Bebeto. A perícia aponta que houve alteração na cena do crime e o cantor não estaria armado, conforme os militares haviam afirmado antes, em depoimentos. A hipótese de exumação do corpo foi confirmada pelos delegados que estão à frente do caso.

Os delegados Ricardo Torres Chueire, titular da Delegacia Regional de Polícia dItumbiara, e Gustavo Ferreira, que estão no caso, buscam mais algumas informações sobre o que, até onde foi investigado, aponta para exagero por parte da abordagem policial. “O primeiro laudo expedido pela Polícia Técnico-Científica aponta que a arma supostamente usada por Bony Júnior é estranha e seria impossível, pelas posições em que os tiros atingiram as viaturas, ser o cantor o autor dos tiros”, disse Chueire.

O delegado Gustavo Ferreira acredita que a exumação do corpo será de importância ímpar para se chegar ao verdadeiro executor do disparo que matou o sertanejo. “Acredita-se que a vítima recebeu um disparo de arma de fogo no crânio e que o projétil não saiu, estando ainda alojado. Com a retirada desse projétil, poderemos fazer uma comparação balística junto às armas dos militares e definir quem efetuou o disparo fatal”, ressalta.

Até mesmo o subcomandante de Goiatuba, major Júlio César Antunes, afirma que as investigações deverão apontar o que houve, na fatídica noite do dia 28 de outubro, na GO-215, entre as cidades de Panamá e Goiatuba. “As três investigações estão em andamento, inclusive pela corregedoria da Polícia Militar. Em breve, será possível saber o que realmente aconteceu na cena dos fatos”, contou o militar.

VERSÃO
Os militares que abordaram o cantor disseram que a perseguição policial iniciou em uma rua de Panamá. Após a abordagem policial, segundo os policiais afirmaram, o cantor teria arrancado com o veículo. Bony estaria acompanhado de um suposto autor de um primeiro disparo, ainda em meio ao acompanhamento policial, por entre as ruas de Panamá.

Num dado momento, segundo depoimento dos policiais, o veículo do sertanejo fugiu do visual dos homens, que o perseguiam em uma viatura. Após isso, o veículo teria sido encontrado por uma viatura do Grupo de Patrulhamento Tático (GPT) de Goiatuba, já na GO-215, mas sem o acompanhante do banco ao lado de Bony. Em seguida, a viatura teria tentado impedir o cantor de seguir na fuga, conforme os policiais disseram nos depoimentos.

Nesse ponto foi onde aconteceu o fato que intriga os peritos e policiais civis. Não batem os acontecimentos descritos pelos policiais militares com o que os peritos constataram, segundo afirma o delegado Chueire. Os policiais descreveram que uma viatura do GPT seguiu em frente ao veículo do cantor e montou-se então uma barreira. Em seguida, o sertanejo efetuou mais um disparo, antes de colidir com a viatura da PM, modelo Blazer. Os depoimentos dos policiais apontam para a morte de Bony com um tiro na cabeça, mas a perícia relata um tiro na nuca – o que, segundo os delegados, é algo fisicamente impossível.

Caso fique comprovado que os militares cometeram o crime de fraude processual, responderão pelo crime. O resultado da perícia deve sair ainda este ano. O pedido de exumação deverá ser remetido para o juiz competente pela região nos próximos dias.”

Fonte: Diário da Manhã
Texto: Jairo Menezes