Fora da lei: Genarc prende Agente Penitenciário por tráfico de drogas em Rio Verde

474
Celulares, chips, bebidas alcoólicas e drogas apreendidas em poder do Agente Penitenciário

Policiais Civis do GENARC (Grupo Especial de Repressão a Narcóticos), de Rio Verde, sob o comandado dos Delegados de Polícia Adelson Candeo Júnior e Francisco Lipari Filho, prenderam em flagrante, no último sábado (10.11), por tráfico de drogas, o Agente Penitenciário Maurílio Lopes da Silva. Ao ser abordado pelos policiais do Genarc quando chegava ao trabalho, o preso negou qualquer envolvimento com as denúncias de que Agentes Penitenciários estariam levando drogas para o interior do Centro de Inserção Social de Rio Verde. Contudo, os policiais, que já vinham monitorando Maurílio Lopes, encontraram drogas no interior do seu veículo, um Fiat Palio.

Maurício Lopes recebeu voz de prisão e autuado em flagrante. Ele c0nfessou a prática do crime, tendo, inclusive, apontado espontaneamente o primeiro nome da pessoa que lhe entregou a droga, dizendo tratar-se de Paulo e dito que a droga seria entregue ao preso Dhouglas Cunha Rezende, conhecido  pela alcunha de “Cachorrão”. Com Maurílio, foram apreendidos dois quilos de maconha, além de uma pequena quantidade de “crack” (aproximadamente 80g) e uma pequena porção de cocaína (aproximadamente 20g), além de oito aparelhos de telefonia móvel com carregadores e cartões sim (“chip”), aguardente, duas latas de cerveja e uma caixinha de suco.

 O Agente Penitenciário preso disse ainda que fazia o transporte da droga por ter sido obrigado por pessoas que ameaçavam ele e a sua família. A versão, segundo os Policiais Civis, é  inverossímil.  Primeiro pelo fato de que,  informalmente, Maurício disse que Paulo jogava bola com ele em Santa Helena de Goiás, onde reside. Maurício e Paulo teriam até um encontro na manhã do dia em que o primeiro foi preso. Eles se encontrariam em um Posto de Gasolina, mas Maurício disse que  não sabia onde Paulo mora, nem mesmo o número seu telefone.