Policiais da Deam de Goiânia prendem ex-Militar de 39 anos, suspeito de vários estupros

879

A Polícia Civil apresentou ontem (19.11), Clemilton Martins de Carvalho, 39 anos, suspeito de cometer uma série de estupros na Capital e em outros municí­pios da região metropolitana. Segundo a titular da Delegacia da Mulher, Ana Elisa Gomes Martins, a polícia investigava as ações do acusado há cerca de dois anos. A autorização para a sua prisão preventiva só foi possível após o reconhecimento dele por parte de seis vítimas e de escutas de conversas telefônicas. “Rastre­amos por vários meses as ligações do Clemilton, que, aliás, não foram poucas. Durante o período ele teve quase cinquenta linhas. Além disso, seis, das doze vítimas confirmadas até agora, o reconheceram como autor dos crimes”, afirmou a delegada.

Delegada Ana Elisa: Investigava o suspeito havia 2 anos

Clemilton foi preso em no­vembro do ano passado, acusado pelo crime de sequestro e cárcere privado, sendo indiciado na 20ª DP, no Setor Sudoeste. “Ele sequestrou três moças no Setor Marista e só não ficou preso porque o crime é afiançável. Ele pagou a fiança e foi solto. Naquele dia, policiais militares conseguiram interceptar o veículo das moças, que prestaram queixa contra ele, acusando-o somente pelo sequestro, uma vez que ele ainda não tinha revelado às vítimas quais seriam as suas reais intenções. Clemilton agia sempre da mesma forma.

Após a abordagem ele permanecia calado durante todo o trajeto percorrido e as vítimas só se davam conta de que seriam estupradas no local do crime. Ele também dificultou as nossas investigações. Muito inteligente e esperto, estava usando um documento original, mas de outra pessoa muito parecida com ele. Inclusive, esse cidadão inocente chegou a ser preso por ser parecido com ele”, revelou.

Clemilton é ex-policial militar e foi expulso da corporação em 2007, acusado de corrupção. O suspeito, além de indiciado pelo crime de estupro contra 12 vítimas, já responde pelos crimes de sequestro, porte de arma de uso restrito, roubo e homicídio. Clemilton também é investigado por ter participado de ex­plosões de caixas eletrônicos e em um roubo que acon­teceu no final do ano passado na concessionária de veículos Cical.

ESTUPROS

Clemilton atuava mais na região Sudoeste da Capital. No entanto, agia também em outros bairros e municípios da região metropoli­tana. “Bares e academias de ginástica próximos ao Bar Bola Sete eram os mais visados por ele. Mas Clemilton também atuava em outros bairros da cidade, assim como em outros municípios. Com ele preso, as investigações vão avançar, principalmente agora, com a ajuda da imprensa, que certamente vai nos trazer mais vítimas e nos ajudar a incriminá-lo. Estou certa de que tiramos das ruas um sujeito de alta periculosidade”, afirmou Ana Elisa.

Clemilton passou o tempo todo escondendo o rosto

A delegada contou ainda a forma como o acusado atuava. “Armado com pistola ou revólver, ele esco­lhia sempre uma dupla ou um trio de moças que estava deixando algum estabelecimento comercial no final de tarde ou à noite. Ele abordava as vítimas dizendo que estava em fuga da polícia e que preci­sava de ajuda. Até então, as moças pensavam que só iam mesmo dar fuga a um bandido, mas em um determinado ponto, ele assumia o volante e conduzia o veículo sempre para o mesmo local, estradas vicinais, na saída para Guapó. No local, ele cometia atos libidinosos, estuprava as vítimas, as forçava a se acariciarem na frente dele, en­quanto ele se masturbava. No final, ele sempre deixava as vítimas no mesmo local onde tinha feito a abordagem. Dalí, ele seguia a pé, o que nos leva a crer que sempre tinha um veículo a sua espera.”

Apenas uma ação foi feita de forma diferente. Esta ocorreu com uma vítima de apenas 15 anos, no Conjunto Cachoeira Dourada, no dia 1º de janeiro deste ano. A adolescente – uma das ví­timas – reconheceu o acusado. Outras vítimas também reconheceram Clemilton como o maníaco – duas moças que, no dia 22 de maio do ano passado, foram abordadas na saída de uma academia no Jardim Planalto. Clemilton também fez duas vítimas que saíam do Bar e Restaurante Piquiras, localizado no Setor Marista. Segundo a delegada, todas as vítimas são jovens, bonitas e de classe média.

Clemilton foi preso na manhã de ontem, na re­sidência de sua amásia, no Residencial São Marcos, em Goiânia. O acusado respondeu apenas a uma pergunta feita pela imprensa. Questi­nado sobre se tinha mesmo cometido os crimes de estupro, ele negou veementemente. Permanecendo curvado, artifício usado para evitar imagens de seu rosto, ele não respondeu a mais nenhuma pergunta.

 

Fonte: Diário da Manhã
Texto: Maurício Reis
Fotos: G1 e Sebastião Nogueira (Site de O Popular)