Preso suspeito de ter matado um estudante de 16 anos a pauladas em Cidade Ocidental, no Entorno

452
José Alves Nascimento: Preso pela Polícia Civil

A Polícia Civil prendeu o suspeito de matar a pauladas uma estudante de 16 anos, em Cidade Ocidental, na região leste de Goiás. À Polícia Civil, ele confessou o assassinato. A jovem desapareceu no dia 1º deste mês quando saiu de casa para visitar um tio, que mora na cidade de São Sebastião, no Distrito Federal. O corpo da adolescente foi encontrado no sábado (8), em um matagal de Cidade Ocidental.

Amigos da garota chegaram a lançar uma campanha na internet na tentativa de encontrá-la. O suspeito do crime, de 39 anos, foi detido após uma denúncia anônima.

Delegado responsável pelo caso, Pedromar de Souza disse que ele foi reconhecido por uma testemunha na delegacia. “Uma testemunha o identificou como sendo a última pessoa que abordou a vítima em um ponto de ônibus, inclusive os dois saíram caminhando. Essa testemunha foi localizada e, ao prestar depoimento, reconheceu o suspeito como sendo tal pessoa”, informou.

Conforme a polícia, ao ser preso, ele confessou o assassinato e levou os policiais até o local onde a jovem foi morta, um matagal próximo ao Jardim ABC, em Cidade Ocidental. No entanto, o homem nega que tenha violentado sexualmente a garota. A polícia aguarda o laudo do Instituto Médico Legal (IML) para comprovar se houve ou não o estupro. O resultado do exame deve ficar pronto em até 30 dias.

De acordo com a Polícia Civil, o suspeito tem duas passagens por estupro. Em um dos processos, ele já foi condenado. Agora a polícia vai tentar esclarecer alguns pontos, entre eles, como ele conseguiu levar a adolescente até o matagal, já que ela foi vista pela última vez em um ponto de ônibus que fica a cinco quilômetros do local do crime.

“O suspeito será novamente interrogado e não há dúvida de que ele tenha cometido tal fato. Mas cabe agora, no prazo legal, à polícia provar e enviar tais provas ao Judiciário”. Amiga da família, a doméstica Maria Lúcia dos Santos, lamenta o ocorrido e cobra justiça: “A gente espera que ele pague pelo fez porque ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém dessa forma”.

Fonte: G1/GO