Presos suspeitos da morte de homem que denunciaria compra de criança

308
dih
Foto: André Saddi

A Polícia Civil, por meio da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), apresentou, na manhã desta terça-feira (27), a elucidação sobre mais um crime ocorrido na capital. Trata-se do homicídio do vigilante Rosimar Borges da Silva Sousa, de 38 anos, morto a tiros em 2014, no Bairro São Carlos, em Goiânia. O crime foi praticado no intuito de ocultar uma história de falsa gestação.

De acordo com as investigações, a vítima e sua esposa, Simone de Sousa Faria Silva, professora, 43 anos, haviam “comprado” uma criança no ano de 2007, quando simularam a gravidez de Simone, que utilizou uma barriga falsa para enganar parentes e conhecidos. Em seguida, o casal iniciou um processo de separação.

Temendo que a história da criança viesse à tona, pois Rosimar ameaçava tornar público o ato criminoso, Simone, juntamente com o pai, o aposentado Sebastião Gonçalves de Faria (70), o filho dela, Hugo Sérgio Faria de Sousa Melo (micro-empresário do ramo de som automotivo, 23), e o namorado dela, José Tiago Alves Gomes (também vigilante, 29), tramaram a morte do vigilante.

Segundo o delegado Carlos Caetano, responsável pelas investigações, eles contrataram um pistoleiro, identificado como Alexandre Rafael Oliveira Benevides, que matou Rosimar com cinco disparos de arma de fogo, enquanto ele dormia no carro, atitude que vinha mantendo após a separação.

No entanto, Rosimar havia gravado um vídeo onde contava toda história relacionada à compra da criança e entregou a mídia à irmã, pedindo que a mesma procurasse a polícia caso algo de ruim acontecesse com ele, pois temia pela própria vida.

Os quatro mentores do crime foram presos e três deles foram apresentados à imprensa (a mulher, o filho dela e o namorado). O pistoleiro, um instalador de cabos de comunicação de 23 anos, que recebeu R$ 2.500 pelo crime, continua foragido.