Quadrilha é presa com mais de uma tonelada de drogas em Goiânia

351

toneladaUma quadrilha especializada em tráfico de cocaína em Goiânia, foi presa na manhã desta quinta-feira (23), durante a Operação Conúbio 1, da Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos (Denarc). Foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e 10 de prisão preventiva. Além das prisões, foram apreendidos mais de uma tonelada de drogas e armas.

Dos presos, três homens eram sócios e articulavam a compra e a comercialização da droga, que era armazenada e distribuída pelos demais. Os membros da associação responsáveis pela venda direta chegavam a manipular a cocaína para aumentar seu volume, além de recolherem valores e constantemente prestarem contas de suas ações.

De acordo com a Polícia Civil, os líderes coordenavam a dinâmica, mas jamais se aproximavam da droga, que era distribuída em toda capital, inclusive para pessoas de alto poder aquisitivo. Com os lucros angariados pelo tráfico, os integrantes da associação ostentavam uma vida de requinte, com carros de luxo, frequência a bares, boates e restaurantes da alta classe goianiense e viagens. O grupo teria, inclusive, alugado uma casa suntuosa no Lago das Brisas, Buriti Alegre, para passar o Carnaval.

Vários investigados têm registros criminais por diversos delitos. Um deles foi preso em 2013 pela Denarc em um laboratório de refino de cocaína. Um outro suspeito estava foragido, pelo assassinato da mulher ocorrido durante uma briga em 2012, e transitava pela cidade com um documento falso. Em 2016, um dos detidos na operação foi preso na operação Cavalo Doido, da Polícia Federal, que investigou tráfico interestadual de maconha. Mesmo preso recentemente, ele comandava venda de cocaína do interior da Casa de Prisão Provisória.

Ainda segundo a polícia, um dos investigados foi preso em 2014 por roubo e em dezembro de 2016 por porte de arma. Solto após o pagamento de fiança, além do comércio de drogas, as investigações relevaram que ele foi responsável por um roubo a uma joalheria ocorrido no último sábado (18) no Setor Campinas. Dentre os líderes da associação, Silas Coelho Costa Júnior, investigado com passagens por posse e porte de arma, receptação e tráfico de drogas, continua foragido.