Relatório do TCE mostra cumprimento de metas pela Polícia Civil

265

concursoO Relatório de Monitoramento do Tribunal de Contas do Estado de Goiás (TCE), divulgado no final de agosto, mostra que a Polícia Civil de Goiás cumpriu as recomendações feitas pelo órgão após auditoria realizada em 2011, nos Programas de Governo “Coordenação e Apoio às Ações de Policiamento Repressivo” e “Policiamento Repressivo e Investigativo”.

À época, a auditoria constatou ausência de investimento nas atividades policiais, ausência de autonomia financeira nas unidades policiais, déficit de policiais para realização das atividades-fim, inadequação da estrutura física das delegacias, ausência de planejamento estratégico, deficiência no Plano de Ação da Polícia Civil, falta de sistematização dos trabalhos nas delegacias, entre outras deficiências.

Para reverter a situação, foram propostas medidas que viabilizassem o saneamento das deficiências encontradas e a melhoria do desempenho institucional. Entre as medidas estavam o estabelecimento de prioridades sistemáticas na alocação de recursos, garantindo o suprimento das necessidades emergenciais das delegacias; a avaliação das demandas das unidades policiais e a elaboração de um plano de ação detalhado, entre outras.

O Tribunal de Contas, em suas deliberações, determinou, por meio do Acórdão nº1787, de 28 de junho de 2012, que a Diretoria-Geral da Polícia Civil do Estado de Goiás adotasse um cronograma das medidas necessárias à implementação das recomendações. Foi estabelecida, também, a realização do monitoramento, nos termos do artigo 8º e 10º da resolução Normativa nº 001/2006.

Em 2013, então, foi realizada o primeiro monitoramento. Já em 2014, novo monitoramento demonstrou que algumas ações estavam em desenvolvimento na instituição, sendo que 89% das ações estavam em desenvolvimento. A realização de novo levantamento, já em 2016, com o objetivo de verificar a implementação total das ações em desenvolvimento.

Na conclusão do último monitoramento, o TCE destaca que “houve evolução representativa no cenário apresentado à época, uma vez que aspectos e etapas relevantes foram desenvolvidos e aprimorados, após a realização da auditoria e do primeiro monitoramento”. Como houve o cumprimento dos propósitos pertinentes e a identificação dos benefícios obtidos com a auditoria, o TCE deu o trabalho por encerrado, considerando desnecessários novos monitoramentos.