Roubo a residências: Quadrilha presa pela DERFRVA com veículos e objetos roubados

354
Membros da quadrilha presa no Jardim Novo Mundo
Membros da quadrilha presa no Jardim Novo Mundo

Três pessoas foram presas em flagrante pela Polícia Civil na tarde de terça-feira (1º) em uma residência no bairro Jardim Novo Mundo, em Goiânia. No local, foram encontrados um veículo e uma motocicleta roubados, além de vários objetos, como joias, óculos, folhas de cheques, roupas, televisões, sons, celulares, câmeras fotográficas, relógios e computadores.

Os policiais chegaram até o local após informações de vizinhos, que achavam a movimentação suspeita na residência. “Eles acionaram a polícia, informando que todos ficavam na casa durante todo o dia e não saíam para trabalhar e que vários carros entravam e saíam do local”, relata o delegado adjunto da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DRFRVA), Carlos Eduardo Gallieta.

Os policiais civis constataram, ao subir no muro da residência, que havia um veículo com registro de roubo. O VW Voyage foi roubado em Goiânia no dia 11 de fevereiro. Com isso, os policiais entraram no imóvel e efetuaram a prisão em flagrante de Lunielle Nattane Pereira Rosa, Daniel Fernando Ledeia e da mulher dele, Marly Fernandes Rodrigues. O adolescentes J.V.A.D, 17 anos, também estava no local, mas pulou o muro e fugiu pelos fundos.

                                                                            Fotos

Em um dos aparelhos celulares, existem fotos do adolescente portando uma pistola calibre 635. Além dos pertences roubados, a polícia também encontrou uma espingarda de pressão calibre 5.5. A motocicleta que estava no local também era roubada, mas foi clonada e adulterada pelo grupo, diz a polícia. As mulheres não tinham passagem pela polícia, mas Daniel já havia sido indiciado por receptação.

De acordo com o delegado, ele usava e falsificava os documentos de identidade das vítimas, colocando a própria foto. Gallieta acredita que o grupo já atuava há bastante tempo. As ações criminosas aconteciam em bairros nobres da capital, como Marista, Sul e também o Bueno.

                                                                          Troca por drogas

“Eles faziam assaltos a residências e utilizavam os carros das vítimas para levar os objetos roubados. Tudo era levado para essa residência no Jardim Novo Mundo e vendido para receptadores. Os veículos eram vendidos e trocados por drogas”, explica o delegado.

Segundo ele, Daniel e o adolescente eram os responsáveis pelos assaltos e as mulheres ficavam encarregadas de manter os objetos, administrá-los e vendê-los. Daniel, Marly e Lunielle negaram participação nos crimes e alegaram não saber que os objetos eram roubados. Até o momento, já ficou comprovado que o grupo fez quatro vítimas, mas o delegado acredita que mais pessoas devem se manifestar para reconhecer os objetos encontrados.

Os detidos devem ser indiciados por associação criminosa, receptação, corrupção de menores e falsificação de documento público. Chamou atenção dos policiais que Lunielle possui uma tatuagem em uma das pernas. O desenho de um palhaço armado significa no mundo do crime, segundo eles, um sinal para assassinar policiais.

Fonte: O Hoje
Texto: Myla Alves
Foto: André Costa