Ação entre os Genarc de Goiás e Aparecida de Goiânia fecha laboratório de refino de cocaína

290

Uma operação conjunta entre a Polícia Civil da Cidade de Goiás e de Aparecida de Goiânia resultou na prisão de duas pessoas e na apreensão de um menor suspeitos de tráfico de drogas. Os policiais localizaram na tarde desta quarta-feira (29/2) um laboratório de refino de cocaína no Condomínio das Esmeraldas, na divisa entre Goiânia e Aparecida de Goiânia. No local foi preso Vitor de Carvalho Barbosa, 19 anos, e apreendidos cinco quilos de cocaína, três quilos e meio de ácido bórico, éter, acetona e substâncias utilizadas no refino da cocaína. Também foi encontrado um revólver calibre 32.

Ivaldo Gomes, do Genarc, da cidade de Goiás, com a Delegada Geral da Polícia Civil, Adriana Accorsi

A prisão de Vítor foi resultado de dois meses de investigação do Grupo Especial de Repressão a Narcóticos (Genarc) da Cidade de Goiás. De acordo com o delegado titular do Genarc do município, Ivaldo Gomes, a droga produzida era distribuída em Goiânia e em Itaberaí. “Começamos essa operação em Itaberaí, onde recebemos várias denúncias de tráfico de drogas”, afirmou. Depois de identificar que um jovem de 14 anos era um dos distribuidores da droga na cidade, a Polícia Civil passou a trabalhar para localizar o fornecedor.

Além da apreensão do menor e da prisão de Vítor, o Genarc também prendeu um taxista de 27 anos. “O menor vinha semanalmente de taxi para a Grande Goiânia para comprar a droga do Vitor. No momento da prisão encontramos com ele 100 gramas de cocaína. Nossas investigações mostram que o taxista também tinha conhecimento do transporte da droga”, afirmou Ivair Gomes.

Mais envolvidos

Segundo o delegado, Vítor era responsável pela guarda, preparação e entrega da droga. “Ele era apenas um empregado. As informações sobre a investigação serão repassadas ao Genarc de Aparecida de Goiânia para a identificação do proprietário do laboratório”, completa Ivair Gomes. O jovem confessou que a casa, que havia sido alugada há alguns dias, funcionava como ponto de refino das drogas, mas negou ser o responsável pela manipulação do entorpecente.

Texto:Larissa Lessa
Fonte:Site A Redação
Foto: Polícia Civil