Polícia Civil de Mozarlândia prende aliciador de menores

786
fabricio santos
Fabrício Gomes dos Santos

Um homem foi preso em flagrante tentando aliciar uma menor para trabalhar como prostituta em boates de Goiânia, no último dia 3 de setembro, em Mozarlândia. Fabrício Gomes dos Santos teria oferecido a E.C.S, de 15 anos, trabalho em uma casa de prostituição na capital, dizendo que a menor poderia ganhar até R$ 500 por programa.

A prisão se deu quando a adolescente, acompanhada de sua mãe, compareceu à Delegacia de Polícia de Mozarlândia a fim de denunciar o suposto aliciador, que já havia enviado várias mensagens de celular para a menina, pedindo para terem uma conversa sobre propostas de trabalho. Fabrício chegou a ligar para a adolescente na presença dos policiais civis.

Consentindo em encontrar-se com Fabrício, E.C.S foi levada até sua casa pelos policiais civis, os quais, ocultos no interior do local, acompanharam toda a conversa entre ele e a adolescente. Durante a conversa, Fabrício convida a menor para trabalhar em uma pretensa loja que estava montando em Mozarlândia, oferece-­lhe um outro emprego, como auxiliar de um suposto locutor de rodeios. Perguntado pela jovem a respeito das mensagens, Fabrício não demorou a revelar que se tratava de uma casa de prostituição de Goiânia.

Não satisfeito, Fabrício perguntou à jovem se poderia fazer um “teste” com ela, naquele momento, oferecendo R$ 500 para a garota. Fingindo consentir, E.C.S dirigiu-­se para o interior da casa com Fabrício, momento em que os policiais lhe deram voz de prisão em flagrante delito. Conduzido à Delegacia de Polícia, Fabrício foi enquadrado no Artigo 218­B do Código Penal Brasileiro (favorecimento à prostituição de menor), cuja pena é de 4 a 10 anos de detenção.

De acordo com o titular da Delegacia de Polícia de Mozarlândia, Murilo Gonçalves de Almeida, durante a lavratura do Auto de Prisão em Flagrante de Fabrício, descobriu-­se, em consulta ao Banco Nacional de Mandados de Prisão (BNMP), haver mandado de prisão emitido contra o suspeito por estupro de vulnerável, determinado pela Autoridade Judiciária da Comarca de Leopoldo de Bulhões­-GO. O mandado de prisão foi cumprindo na sequência.