Psicofobia: preconceito e desinformação

578

Em março de 2012, faleceu, aos 80 anos, Chico Anysio, diagnosticado com depressão. O humorista era um defensor público da saúde mental. O artista inspirou a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) a desenvolver um conceito para o fenômeno social do preconceito contra os transtornos mentais: a “psicofobia”. O site oficial da Psicofobia, idealizado pela ABP, informa que a América Latina é a 3ª no ranking mundial em sujeitos com transtornos mentais.

A estigmatização da doença mental é tão antiga quanto os próprios distúrbios. O desconhecimento do assunto era razão para medidas violentas contra a população vulnerável como o encarceramento de pacientes ou a associação com fatores sobrenaturais. A vida à margem da sociedade era norma para enfermos psiquiátricos até as reformas e lutas antimanicomiais se efetivarem no final do século XX.

As medidas mais recentes em saúde pública visam ampliar a inserção do sujeito na sociedade, além de focar na prevenção e promoção de saúde, propiciando maior autonomia ao usuário de serviços em saúde mental. Isto, porém, não significa que a psicofobia deixou de acontecer, pois o preconceito aparece nos consultórios através do medo do diagnóstico e da falta de aceitação do sujeito em relação ao próprio transtorno.

A representação sensacionalista na mídia é um fator para a persistência da discriminação: seja através de tentativas ofensivas de realizar humor ou por manchetes violentas, a imprensa espalha desinformação sobre os transtornos mentais. Uma pesquisa do Departamento e Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP conclui que a aplicação da palavra “esquizofrenia” como metáfora para “absurdo” pela mídia é recorrente. O reflexo de seu mau uso é a popularização desse significado depreciativo que contribui para o preconceito contra sujeitos esquizofrênicos. O resultado desse preconceito é o afastamento das pessoas com transtornos mentais dos cuidados profissionais especializados, prolongando os prejuízos na saúde e nas relações sociais.

Diagnósticos como os transtornos depressivos, de ansiedade, de personalidade, do humor e outros não escolhem idade, gênero, raça ou religião e nem invalidam uma pessoa, mas causam sofrimento quando não são devidamente tratados. O combate ao preconceito é, antes de tudo, individual, pois a desconstrução de cada um possibilita novos horizontes para uma sociedade mais livre de preconceitos e consciente sobre a saúde mental.

Responsável técnica: Aline Resende (Coordenadora do Serviço de Psicologia da DPSS)
Produzido por: Gabriela Radaelli (Estagiária de Psicologia da DPSS)

Fontes:
GUARNIERO, Francisco Bevilacqua; BELLINGHINI, Ruth Helena; GATTAZ, Wagner Farid. O estigma da esquizofrenia na mídia: um levantamento de notícias publicadas em veículos brasileiros de grande circulação. Rev. psiquiatr. clín., São Paulo , v. 39, n. 3, p. 80-84, 2012. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832012000300002 Acesso em 15 Dec. 2020.

Psicofobia: a campanha. Disponível em: https://www.psicofobia.com.br/ Acesso em 15 Dez 2020.

SEGATTO, Cristiane. A psicofobia e o peso das palavras – Chico Anysio à ABP. Revista Época. Disponível em:
http://www.semtranstorno.com.br/a-psicofobia-e-o-peso-das-palavras-entrevista-de-chico-anysio-a-abp/ Acesso em 15 Dez 2020. 2013

Site Drauzio Varella. Preconceito contra quem tem transtornos mentais | Entrementes. Disponível em:
https://drauziovarella.uol.com.br/videos/entrementes-videos/preconceito-contra-quem-tem-transtornos-mentais-entrementes/ Acesso em 15 Dez 2020.